Voando para NOVA YORK com a companhia aérea americana DELTA AIRLINES

Nós voamos para Nova York com a Delta Airlines, a companhia americana. Chegamos aos Estados Unidos pela cidade de Atlanta e saímos pela cidade de Detroit. Tanto Guarulhos – Atlanta – Nova York, quanto Nova York – Detroit – Guarulhos nós voamos com a Delta.

O que nos motivou a comprar passagens pela Delta foi a variável de sempre: preço mais competitivo que outras companhias aéreas para o período em que deveríamos estar em Nova York para Léo correr a maratona.

Novos procedimentos de check-in

Para Nova York com a Delta Airlines

Por do sol em Guarulhos

O voo nasceu em Guarulhos, São Paulo e morreu no mesmo aeroporto. Por isso, tivemos ainda que comprar o trecho Salvador – Guarulhos e Guarulhos – Salvador. Só fazemos isso quando os voos saindo de Salvador para nosso destino final, Nova York nesta viagem, estão muito caros, o que foi o caso.

Para minimizar o risco de perdermos qualquer um dos voos, compramos os trechos domésticos com horas de antecedência na ida e muita folga na volta. Assim, ficamos bastante tempo perambulando pelo aeroporto de São Paulo. Melhor isso que correr o risco de ter que comprar novos voos.

O check-in on-line da Delta abriu 24 horas antes do horário de embarque. Pudemos escolher nossos assentos e tivemos de informar endereço da estada em Nova York. No aeroporto, o despacho abriu 3 horas antes do embarque. A fila estava grande, mas estávamos entre os primeiros.

Uma funcionária etiquetou as bagagens de mão, incluindo minha bolsa, e nos entregou etiquetas a serem preenchidas com nossos dados pessoais (nome, e-mail, telefones de contato e endereço) para colocarmos nas bagagens despachadas, ao chegarmos ao balcão de check-in.

Para Nova York com a Delta Airlines

Check-in da Delta Airlines em Guarulhos

A Delta já implementou as novas regras determinadas pelo governo americano e assim, ao chegarmos ao balcão de check-in, recebemos do funcionário, brasileiro, muitos sorrisos, simpatia e várias perguntas em uma aparente e enganadora conversa amigável e informal.

Era uma entrevista.

As atuais regras de segurança para voos com destino aos Estados Unidos incluem entrevista, checagem dos equipamentos eletrônicos e revista da bagagem de mão. Essas ações serão feitas pelos funcionários das companhias aéreas que têm liberdade para usar a abordagem que acharem mais conveniente.

As perguntas no balcão da Delta Airlines

As perguntas: primeira vez nos Estados Unidos? Não, então vocês acham que os Estados Unidos valem muito à pena? Vão fazer o que lá? Turismo? Ah, você vai correr a maratona? Um amigo meu estava na Maratona de Boston no ano do atentado. E você, Ana, vai correr também? Vão ficar onde lá? Só vão à Nova York? Sim. Voltam logo depois da corrida? Não, ficamos uns dias passeando pela cidade.

Respondemos a tudo com honestidade, tranquilidade e objetividade.

Durante as perguntas, ele mantinha nossos passaportes em mãos e digitava no computador.

Ao finalizar colocou as tags preenchidas (ele consultou os dados escritos) em nossas mochilas, devolveu os passaportes, os bilhetes e nos informou que não deveríamos passar por nenhum outro procedimento especial.

Esperem ser chamados para o embarque, nos disse ele.

Aguardamos então, tomando um café.

O voo Guarulhos – Atlanta

O embarque em Guarulhos

O embarque foi muito lento.

Primeiro entregamos os bilhetes. Depois, já no finger, tivemos que mostrar os passaportes para que os vistos fossem checados mais uma vez. O voo, noturno, saiu de São Paulo completamente lotado.

Nos acomodamos da melhor maneira possível e estávamos prontos para voar para Nova York com a Delta Airlines!

O voo: vantagens e desvantagens

O equipamento foi um Airbus 330 cuja disposição das poltronas era 2X4X2, minha preferida sempre.

A tripulação falava inglês, mas havia um comissário falando português, assim os avisos foram dados nos dois idiomas.

Recebemos cobertor, travesseiros e fones de ouvido, além de máscara para dormir.

A distância entre as poltronas é muito pequena. Atrás de mim estava sentada uma menina de pernas longas que constantemente empurrava meu encosto. Incomodou, mas o que podia fazer?

Para mim, este foi o maior defeito da Delta Airlines.

Uma das grandes vantagens da Delta em minha opinião: filmes, muitos filmes completamente gratuitos. Para mim, que tenho enorme dificuldade para dormir nos voos, ter filmes à minha disposição é padecer no paraíso. Havia um pool grande de músicas também.

O jantar

Começamos com lenços umedecidos para limparmos as mãos.

Para o jantar, havia três opções: massa, frango e salada com carne. Bagunçou meu coreto. Acostumada com no máximo duas opções, fiquei confusa.

Tenho sérias dificuldades de escolher de supetão e diante de minha indecisão a comissária me lançou um olhar tão matador que escolhi a salada. Péssima opção: alface com xuxu, apenas. A carne estava dura e ressecada.

Acho que eu queria a massa!

Leo escolheu melhor: o frango com purê estava com sabor mais razoável.

Todos os pratos foram acompanhados de pão (que estava bem duro), queijo da marca polenguinho, manteiga, salada de frutas (ótima), uma espécie de flan que não tinha sabor algum com deliciosa calda de sabor não identificado, além de barrinhas do chocolate Diamante Negro e chocolate Bauducco.

Para beber sucos e refrigerantes da marca Coca-Cola, além de bebidas alcoólicas, como vinho, sem custo adicional.

Voando para Nova York com a Delta Airlines

Frango com arroz: uma das opções de jantar da Delta Airlines

O Café da Manhã

Novos lencinhos umedecidos.

Pão quentinho com queijo e presunto (não sei a razão deles colocarem embutidos nos sanduíches dos voos), salada de frutas, barras de chocolate e suco para todos.

Sem opções de escolha.

Havia ainda água, café e chá para beber.

Para mim café, claro! Estava gostoso.

Voando para Nova York com a Delta Airlines

O café da manhã na Delta Airlines

Mais uma coisinha ou outra sobre o voo da Delta no trecho Guarulhos – Atlanta

Foram 9 horas e 20 minutos até Atlanta.

Eu não preguei o olho. As poltronas eram muito apertadas e não encontrei uma posição minimente confortável.

A Delta Airlines disponibiliza wi-fi gratuito para mensagens de texto: whats app e messenger.

Houve momentos de muito frio e outros de muito calor.

Os banheiros do fundo estiveram limpos durante todo o voo.

Recebemos um formulário para preenchermos: um por família visitante, que terminou não sendo exigido no controle de passaporte.

Pousamos em Atlanta e passamos por todos os procedimentos de imigração que foram lentos, cansativos e demorados. Chegamos a pensar que perderíamos a conexão, mas deu tudo certo.

Atlanta – New York City

1 hora e 30 minutos de voo.

Wi-fi aqui era pago.

Sobrevoar Nova York foi muito legal: vimos Manhattan e ícones como a Estátua da Liberdade e o Empire State.

Voando para Nova York com a Delta Airlines

Sobrevoando Manhattan – a Estátua da Liberdade

Voando para Nova York com a Delta Airlines

Sobrevoando Manhattan: Empire State

O voo estava cheio, mas foi bem tranquilo.

Na hora do desembarque, as pessoas que estavam ao fundo da aeronave esperaram as que estavam à frente desembarcar. Não houve corredor lotado de pessoas em pé, nem agonia para sair. Foi um desembarque em ondas.

A educação sempre me surpreende e encanta.

O aeroporto de Newwark, em New Jersey

Pousamos no aeroporto de Newwark, no estado de New Jersey. De lá tomamos um trem para Nova York. Decolamos do mesmo aeroporto e fizemos o caminho inverso para chegar até ele alguns dias depois.

O terminal onde desembarcamos e embarcamos foi o B, que atende a Delta Airlines. Ele é muito pequenino, com poucas e caríssimas opções para comer.

Na chegada deixamos para almoçar na cidade, mas na volta comemos um panini bem sem graça por US$10.50. Só serviu mesmo para matar a fome e pesar no bolso, mas foi nossa melhor opção.

Voando para Nova York com a Delta Airlines

Terminal B de Newark

Voando para Nova York com a Delta Airlines

No aeroporto de Newark esperando embarque para Detroit.

Voando para Nova York com a Delta Airlines

O painini sem graça e caro que comemos no aeroporto de Newark

Voando para Nova York com a Delta Airlines

Local onde compramos o panini – o mais barato: terminal B do aeroporto Newark

O voo Newark – Detroit: começando a voltar para casa

O check-in no aeroporto de Newark, na volta para o Brasil, foi muito rápido, sem nenhum tipo de procedimento especial. Já o tínhamos feito on-line, que abriu 24 horas antes e no aeroporto só despachamos as bagagens.

O senhor que nos atendeu foi sorridente e simpático.

O voo demorou 1 hora e 17 minutos e saiu lotado. A configuração do equipamento 2X3 foi ótima. O wi-fi para textos: Messenger e Whats app foi gratuito.

Comida paga.

O voo Detroit – Guarulhos: hora de voltar para casa

Em Detroit não passamos por nenhum tipo de controle de passaporte ou raio x.

No balcão da Delta perguntamos se não era necessário carimbar a saída. A funcionária riu e disse que não e ainda acrescentou que ela não tinha ideia como, mas que os americanos sabiam de cada passo que nós demos no país.

Podem ter certeza, disse ela, eles sabem que vocês estão deixando os Estados Unidos.

Preciso confessar! Fiquei frustrada: eu gosto de carimbos no passaporte!

O voo Detroit – Guarulhos

Eu achei o aeroporto de Detroit grande e muito bonito. Ele é organizado e muito claro. Enquanto esperávamos o voo, ficamos passeando por ele e até pegamos o tram para mudar de terminal. Em uma loja Leo comprou vinhos americanos da região da Califórnia que estavam com ótimos preços.

O voo saiu no horário e foi similar ao que pegamos de Guarulhos para Atlanta – mesma configuração, mesmas opções de jantar (desta vez escolhi a massa que estava boa) e café da manhã. Este também foi um voo noturno.

Eu sempre prefiro que os voos longos sejam noturnos, pois ainda que eu não consiga dormir, estas travessias costumam ser mais sossegados, as pessoas vão mais quietas.

Também neste voo, ótimos filmes e músicas à vontade estavam disponíveis gratuitamente. As cadeiras super apertadas.

Tripulação falando inglês com um comissário falando português.

Foram 10 longas horas entre as duas cidades.

Momentos de muito pânico antes da decolagem em Detroit

Voando para Nova York com a Delta Airlines

No voo Detroit – Guarulhos

Entre Detroit e Guarulhos eu tive certeza que o avião cairia e que tinha chegado a hora de minha morte. Muitos sinais indicaram isso.

O primeiro deles: quando as pessoas ainda estavam embarcando, houve uma pane que desligou a força e todas as luzes se apagaram. Durou pouco, mas nunca tinha vivenciado algo parecido.

Depois, o comandante avisou que a decolagem atrasaria porque as asas congelaram e o avião precisaria passar por um processo de degelo. Ok, raramente eu viajo no inverno, então normal não saber que asas de avião congelam.

Cabeça raciocinou.

O coração que não age com a razão, apertou.

Comecei a ver um filme para me distrair do tédio e do medinho.

Então, uma senhora que estava acompanhada do marido e do filho adulto teve um ataque de pânico. O avião já estava chegando à cabeceira da pista para decolar.

Comissários e uma médica tentaram acalmar a senhora de muitas maneiras, mas a situação parecia só piorar. Ela insistia que não podia continuar naquele voo, que tinha que descer, que não podia voar.

O pânico dela só aumentava.

Por fim, o comandante pediu autorização à torre para voltar ao finger. Quando lá chegamos uma equipe de paramédicos entrou no avião e retirou a senhora do voo.

Eles já estavam a nossa espera.

Quando ela desembarcou deixou o pânico dela comigo.

Eu tinha certeza absoluta que o Universo estava salvando aquela família e selando nosso destino: aquele avião iria cair e matar todo mundo.

Eu tinha tanta convicção disso que comentei com Leo como fato consumado, que o nosso fim estava próximo. Em tom de despedida, reafirmei todo o meu amor por ele. Mandei mensagens de adeus pelo whats app para todos os meus amigos e famíliares. Embora o wi-fi fosse gratuito eu não conectei para que as mensagens apenas chegassem a eles quando as equipes de busca encontrassem meu celular.

Não queria vê-los sofrer antes da hora.

No final das contas eu acho que o Universo mudou de ideia e salvou a todos nós. O voo foi tranquilo, eu não dormi novamente, pelas mesmas razões do voo inicial com o acréscimo de aproveitar minhas últimas horas com a mão grudada em Leo e vendo todos os filmes possíveis.

Pousamos em Guarulhos sem sobressaltos.

Resumindo…

Eu voltaria com certeza a voar para Nova York com a Delta Airlines, ou para qualquer outro destino, apesar das poltronas super apertadas. No geral eu gostei de voar de Delta e se o preço compensar a companhia americana está em minha lista de boa companhias aéreas.

Este texto não é fruto de parceria de nenhuma natureza sendo bem ao contrário disso é resultado de nossas escolhas pessoais. Nós voamos para Nova York com a Delta Airlines porque naquele momento ela atendeu nossos requisitos.

Quer saber como foi o processo de imigração em Atlanta?! Então clica no link bem aqui abaixo!

Cais da Ilha de Genebra

+ Controle de Passaporte em Atlanta, Estados Unidos

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Google+

Voamos para Nova York com a companhia americana Delta Airlines que já implentou as novas regras de controle de passaporte. Foi um ótimo voo. Informações e detalhes no texto. #deltaairlines #novayork #estadosunidos #viajantesempressa #espiandopelomundo #companhiaaerea #voo              Voamos para Nova York com a companhia americana Delta Airlines que já implentou as novas regras de controle de passaporte. Foi um ótimo voo. Informações e detalhes no texto. #deltaairlines #novayork #estadosunidos #viajantesempressa #espiandopelomundo #companhiaaerea

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de Genebra Nova York com a Delta Airlines  ficará guardada em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

Nova York com a Delta Airlines

Se você, meu caro viajante, gostou de saber como foi voar para Nova York com a Delta Airlines, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

By |2018-08-11T12:13:03+00:0024/01/2018|Categories: Américas, Estados Unidos, Nova York|Tags: |20 Comentários

20 Comments

  1. Adriana Mendonca 01/02/2018 em 11:48 - Responder

    Que legal o relato! Fui para NY há 3 meses e voei de Delta pela primeira vez. Fiquei bem satisfeita, voaria novamente!

    • Analuiza Carvalho 01/02/2018 em 19:35 - Responder

      Oi Adriana, então estivemos lá quase na mesma época! Estive lá há pouco mais de 2 meses. Também passou por pânicos na Delta?! Já passou pelos novos procedimentos?! bjs

  2. Anna Luiza Santiago 01/02/2018 em 12:46 - Responder

    Adoro reviews de voos porque ajudam muito na hora de escolher uma companhia e fechar a compra. Principalmente para os EUA, que é cheio de regras.

    • Analuiza Carvalho 01/02/2018 em 21:28 - Responder

      oi Anna… eu também. Para mim faz toda a diferença conhecer um pouco sobre as companhias aéreas. 🙂 bjs

  3. Paloma 02/02/2018 em 09:00 - Responder

    Vou viajar com essa companhia no fim do ano, achei seu post bem informativo, dificil achar esses tipos de review. Obrigado

    • Analuiza Carvalho 02/02/2018 em 09:29 - Responder

      Que bom que gostou Paloma… já pode voar sabendo mais ou menos o que vai encontrar! rsrs

  4. Flávia Donohoe 02/02/2018 em 09:03 - Responder

    Eu voei de Delta para os Estados Unidos e gostei muito do serviço deles, também fiz esse stopover em Atlanta e como esse aeroporto é grande, voaria novamente com certeza!

    • Analuiza Carvalho 02/02/2018 em 12:41 - Responder

      oi Flávia… é eu também gostei de voar de Delta; entre os prós e contras, a companhia ganhou em pontos favoráveis. Sobre o aeroporto de Atlanta o que eu vi foi basicamente a fila da imigração. Diferente do aeroporto de Detroit que deu para ver um pouco mais. bj

  5. Gisele Teixeira 02/02/2018 em 15:22 - Responder

    Que legal! Já voei com a Delta para os Estados Unidos mas com destino a Orlando. Também paramos em Atlanta. Achei super completo e útil seu relato. Obrigada!

    • Analuiza Carvalho 02/02/2018 em 15:27 - Responder

      Obrigada Gisele. Tomara que este texto seja mesmo útil para outros viajantes. Principalmente no que diz respeito aos novos procedimentos. Desejo ainda que eles não passem pelo pânico que eu passei! rsrs bj

  6. Ruthia 02/02/2018 em 18:46 - Responder

    Ana, tantos comentários ao seu post.
    1º a educação também me surpreende e encanta.
    2º eu também raramente consigo dormir alguma coisa de jeito (ainda por cima tenho uma criança semi-deitada em cima de mim, regra geral).
    3º ninguém merece aviões apertados. A TAP também anda assim, parecemos sardinhas em lata.
    4º passei por um susto em dezembro passado, de Madrid para o Porto. Fomos apanhados por uma tempestade e o avião não conseguiu aterrar, apesar das 2 tentativas. também pensei que a minha hora tinha chegado. Mas mantive o sangue frio aparente… do outro lado do corredor, uma senhora e o filho adolescente choravam baba e ranho. O Pedrinho dormiu durante todo o drama. Fomos desviados para a Galiza (em Espanha) novamente e ficamos à espera de autocarros para nos transportarem para o Porto até de madrugada. Agora pergunte-me: já voou depois disso? Sim, 2 semanas depois estava a apanhar um avião para ir passar o Natal a Angola.
    Haja coração
    Beijinho

    • Analuiza Carvalho 02/02/2018 em 19:25 - Responder

      oi Ruthia… menina! Isso sim é pânico real!!!! Também manteria o sangue frio, mas ter pessoas dando vazão ao terror deve piorar todo o cenário que já é dramático!!! Ficaria aterrada! Mas, o que dizer?! Somos viajantes de alma. Domamos o medo, respiramos fundo, e seguimos para a próxima viagem. Afinal, voar faz parte de conhecermos lugares! 🙂 Desejo mais verdadeiro: que nunca mais passemos por medos assim!!!! rsrs

      Obrigada, querida, por me contar essa história. Se um dia passar por isso, saberei que poderá ter final feliz! 🙂 bjs

  7. Juliana Moreti 03/02/2018 em 15:46 - Responder

    Aninha…
    Acho que nem na primeira classe, com os pés esticadinhos eu iria conseguir dormir durante um voo. Tenho muito medo!
    Mas temos algo em comum: não gosto de muitas opções de refeição e nunca escolho a mais gostosa
    hahahahaha

    • Analuiza Carvalho 03/02/2018 em 16:08 - Responder

      oi Ju… desconfio que na primeira classe eu conseguiria no mínimo, cochilar. Eu tenho medo e voar também e no último voo da Delta achei que tinha chegado minha hora de passar desta para uma melhor! Tinha certeza de que ia morrer por tudo o que aconteceu!!! Contudo, o que me impede de dormir é o espaço diminuto das poltronas. 🙂

      bjuuss

  8. Ana Carolina Miranda 04/02/2018 em 19:20 - Responder

    Também já voei para os Estados Unidos com a Delta e super recomendo. Não tive nada para reclamar, só elogios. Foi uma ótima escolha.

    • Analuiza Carvalho 04/02/2018 em 20:09 - Responder

      Bom, Ana, eu não sou só elogios e tenho o que reclamar, mas no geral também achei uma boa companhia aérea.

  9. Thais 07/02/2018 em 12:00 - Responder

    Ola
    Nunca voei Delta, mas após ler seu relato com certeza voaria.
    Obrigada por compartilhar.
    Abraços
    Thais

    • Analuiza Carvalho 07/02/2018 em 15:28 - Responder

      Que bom que esta experiência com a Delta pôde te ajudar em futuras viagens Thais. 🙂

  10. Adrielle Saldanha 12/02/2018 em 09:55 - Responder

    Cada vez mais eles colocam mecanismos de controle durante as viagens, quem dera o Brasil fizesse assim também. Amei o post e as dicas, e claro: o lanche da Delta é sensacional! 🙂

    • Analuiza Carvalho 12/02/2018 em 10:07 - Responder

      oi Adrielle… que bom que gostou da narrativa. É… o controle me pareceu bem rígido com as novas regras. Apesar das poltronas apertadas e do momento pânico na volta, eu voaria novamente de Delta! 🙂 bjs

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.