Se for de PAZ pode ENTRAR, pois ZÉLIA e JORGE estão a nos esperar na Casa do Rio Vermelho

Se for de paz pode entrar, pois Zélia e Jorge estão a nos esperar em sua agradável e estilosa Casa do Rio Vermelho.

Casados por mais de 50 anos, o casal de escritores Zélia Gattai e Jorge Amado aproveitaram a vida: conheceram pessoas, curtiram os amigos, formaram uma família, escreveram livros de sucesso, viajaram o mundo e construíram uma casa linda.

A casa, na Rua Alagoinhas, 33, no bairro boêmio do Rio Vermelho, em Salvador, na Bahia, virou casa-museu e tornou-se um dos atrativos mais bacanas da cidade de tantos encantos e de muito axé!

Os personagens da Casa do Rio Vermelho

Se você é de paz, pode entrar! A casa é cheia de alma e energia e conta um pouco da história do casal, onde os personagens dos livros de Jorge se confundem e se misturam com os personagens reais que visitaram a Casa do Rio Vermelho.

Foram inúmeros: Isabel Allende, Sartre e Simone de Beauvoair, Pierre Verger, Roman Polanski e Caribé, que veio para Bahia descobrir Jubiabá. Os vencedores do prêmio Nobel de literatura Mario Vargas Llosa e Gabriel Garcia Márquez, também por aqui passaram. Mais recentemente, Mia Couto visitou a Casa do Rio Vermelho.

Personagens sem conta (verdadeiros e imaginários) habitaram e continuam habitando esta casa, perambulando por todos os ambientes: podemos ouvir suas vozes durante toda a visita.

O jardim

Se for de paz pode entrar

A beleza da natureza em cores e vida

Casa de Jorge

Celebrando o amor nos jardins de Zélia e Jorge

Logo que entramos, nos deparamos com um lindo e exuberante jardim, repleto de flores coloridas e árvores frutíferas. Uma trilha nos permite caminhar por ele e para mim teve aroma de infância: facilmente nos esquecemos de que estamos em um dos bairros mais movimentados e boêmios de cidade.

A Casa do Rio Vermelho tem estilo e personalidade

A casa é cheia de detalhes

A casa é cheia de estilo e personalidade: carrega por todo lado referências da intensa vida de seus donos. Tem fisionomia de casa de praia, carregada de informações e originalidade mostrada através dos inúmeros objetos trazidos de outros países distribuídos aqui e acolá.

Adeptos do candomblé, religião trazida ao Brasil pelos escravos africanos, há muitas referências aos orixás na casa. Nas paredes há quadros da cultura nordestina de Cordel e placas diversas.

O piso é um mosaico. Há portas vermelhas, móveis azuis e bancos amarelos, em uma explosão de cores que estimulam nossos sentidos.

A casa e seus ambientes

Há muito que explorar na Casa do Rio Vermelho: salas e quartos foram transformados em pequenas partes desse museu, onde cada um conta um pedaço da historia de Jorge e Zélia.

Ali encontramos curiosidades: as diferentes capas em diversos idiomas dos livros dele traduzidos e as bonecas de pano feitas por ela com inspiração em seus netos.

Entre uma história e outra podemos parar para tomar um café e apreciar um lanche tipicamente baiano na cafeteria enquanto ouvimos o sussurro das plantas e dos fantasmas que vivem ou passeiam no jardim.

A exuberante cozinha de Dona Flor

A malemolência da excepcional comida baiana

 

Sem dúvida nenhuma esta é uma casa mágica! Na cozinha de D. Flor encontramos um bocadinho da deliciosa, apimentada, colorida e malemolente, forte e quente culinária baiana. Quem nos dá as boas vindas, com sua risada de encher qualquer ambiente é Dadá, conhecida e respeitada cozinheira desta boa e complicada terra.

O colorido alegra os olhos. A pimenta, o dendê e o gengibre se misturam ao swing baiano na cozinha de D. Flor, de Zélia, de Jorge, de todos nós!

Amores e amantes. Suor e sussurros.

Continuando a perambulação por esta casa com muitas almas a circular e nos fazer companhia, entramos no quarto dos amantes e amores: doces e delicados, sensuais, apaixonados e apaixonantes.

Aqui, imagens e sons nos levam por este mundo de luxuria, suor e sussurros. Somos observadores desses amantes, misturados, ardentes e impetuosos, intensos e imortalizados nas obras de Jorge.

Joias atemporais

Se for de paz pode entrar

Em cada gaveta, cartas de amigos

Ah! Esta casa guarda verdadeiras joias preciosas em forma de cartas! Em gavetas está a correspondência que o casal trocou com amigos. Quanta emoção cabe nestes pedaços de papel! Pedaços de história, de passado e de presente.

Veríssimo escreve e conta que está trabalhando em O Tempo e o Vento! Monteiro Lobato diz que Mar Morto é bárbaro e referencia a belíssima Igreja da Conceição da Praia acrescentando que os livros de Jorge “revelam uma força da natureza”.

Viajantes de alma

Jorge levou a Bahia para o mundo e eles viajaram o mundo: em um tempo em que era muito difícil viajar eles se aventuraram pela Rússia e Mongólia, entre muitos outros países. Viajantes de alma, eu me atreveria a dizer!

Jorge, através de seus livros se mostrou e nos mostrou. Imortalizou a Bahia. Mia Couto em recente palestra em Salvador disse que na Casa do Rio Vermelho encontrou a Bahia que guardava em seu coração, descoberta através das historias e personagens que Amado conheceu, construiu, criou, imaginou.

Se for de paz pode entrar, pois Jorge e Zélia estão a nos esperar

Se for de paz pode entrar

Amantes e amores

Se for de paz pode entrar

Eu sou da paz, por isso entrei

Se for de paz pode entrar

Nosso patrimônio, nossa história

Quando eu soube que a casa do Rio Vermelho seria aberta ao público, depois de 11 anos fechada e meio abandonada, eu fiquei muito feliz. Jorge e Zélia são patrimônios nossos: da Bahia, do Brasil e do mundo. Seus livros contam a nossa história, falam de nossa gente.

Fiquei mais feliz ainda quando vi turistas de diversas partes, incluindo estrangeiros, em uma deliciosa babilônia de sotaques. Sentei um momento para observa-los e o que eu vi nos olhos de todos foi admiração por aquele lugar tão especial.

Não existe um roteiro para percorrer a casa: ela é interativa, com algumas informações em inglês, mas há monitores muito simpáticos e disponíveis para tirar as nossas dúvidas e responder a quaisquer perguntas que tenhamos.

Eu sou de paz, por isso entrei!

Informações adicionais sobre a Casa do Rio Vermelho: se for de paz pode entrar

Horários de funcionamento: de terça a domingo das 10:00h às 17:00h.

Bilhetes: R$20,00

Estudantes e pessoas acima de 60 anos mediante documento comprobatório pagam meia-entrada.

Entrada gratuita às quartas-feiras.

Telefone: (71) 3333 1919

Quer conhecer outro lugar massa em Salvador?! Então clica no link bem aqui abaixo!

Cais da Ilha de Genebra

+ O Solar do Unhão

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo Mundo nas redes sociais: FacebookInstagramTwitter e Google+

Se for de Paz pode entrar: a casa dos escritores Jorge e Zélia em Salvador está aberta à visitação e é bárbara!

A casa dos escritores Jorge Amado e Zélia Gattai em #Salvador na #Bahia está aberta à visitação e é bárbara! Um dos programas mais interessantes para se fazer na capital baiana. #Brasil #viajantesempressa #viajar #espiandopelomundo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de Genebrao texto Se for de paz pode entrar, sobre a Casa do Rio Vermelho  ficará guardado em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

Se for de paz pode entrar

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer a Casa do Rio Vemelho em Salvador, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam e se deliciem também! 🙂 E não esqueça: se for de paz pode entrar. 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

By | 2018-03-07T01:06:43+00:00 04/07/2017|Categories: Salvador|Tags: |19 Comentários

19 Comentários

  1. ARNALDO DOMINGOS GATTAI. 08/07/2017 em 11:59 - Responder

    ESTIVE NESSA CASA EM 1970 se não me engono mais certo quando eles JORGE e ZÉLIA ESTAVAM COM A VISITA DO CANTOR HARRY BELAFONTE ACONSELHO TODOS AMIGOS QUE LER ESTE DEPOIMENTO INDO A SAVADOR NÂO DEIXAR DE IR FAZER UMA VISITA A CASA DO RIO VERMELHO

    • Analuiza Carvalho 08/07/2017 em 12:49 - Responder

      Arnaldo… que privilégio visitar esta belíssima casa ainda na década de 70! Que privilégio poder estar com estes escritores atemporais, nosso patrimônio, nossa história! Você tem toda razão: quem estiver de visita à Salvador não deve deixar de visitar a Casa do Rio Vermelho, uma das preciosidades dessa Bahia.

  2. Que legal!! Eu nunca estive em Salvador, mas adoraria conhecer esse lugar onde um dos principais nomes da literatura brasileira viveu. muito legal que a casa deles esta preservada e aberta a visitação. A parte que eu mais gostei são as coisas que eles trouxeram dos diferentes lugares que visitaram. Eu também adoro trazer coisas legais que encontro pelo mundo

    • Analuiza Carvalho 05/09/2017 em 12:28 - Responder

      pois é Oscar… a casa de jorge e zélia é uma de nossas riquezas e ainda bem que está preservada. A casa por si só é muito bacana, o casal vivia bem, mas a maneira como foi estruturada falando um pouco da vida e obra de ambos é mesmo um prazer a mais. Além disso, eles eram viajantes, então os adoramos ainda mais né?! 🙂 bjs

  3. Anna Luiza Santiago 05/09/2017 em 13:22 - Responder

    Ameeeei a dica! Que maravilha de passeio. Não sabia que a casa era tão bonita. Já vou colocar na lista para quando for à Bahia!

  4. Anna Luiza Santiago 05/09/2017 em 13:23 - Responder

    Que maravilha de passeio! Não sabia que a casa era tão bonita. Adorei a dica, viu? Já vou colocar na lista para quando for à Bahia.

    • Analuiza Carvalho 05/09/2017 em 18:45 - Responder

      oi Anna… visite a Casa do Rio Vermelho sim quando estiver em Salvador. Ela vale muitíssimo a visita! bjs

  5. Deisy Rodrigues 06/09/2017 em 03:15 - Responder

    Que lindo seu texto, parece que estamos passeando na Casa do Rio Vermelho com você, confesso que não sabia que a casa era aberta a visitação e ainda não conheço a Bahia mas claro que quando estiver na cidade vou incluir no meu roteiro. Valeu muito pela dica.

    • Analuiza Carvalho 13/09/2017 em 10:54 - Responder

      oi Deisy… Inclua, inclua sim… A Casa do Rio Vermelho é uma das joias soteropolitanas… Muito amor por este lugar e por estes escritores que falaram da gente! 🙂 Fico feliz em ter te levado comigo neste passeio! 🙂 bjus

  6. RoadTrio 08/09/2017 em 19:08 - Responder

    Ah, já fui pra Salvador mas nunca visitei! Deve ser muito gostoso o passeio. Não imaginava como era a casa… Tomara que eu volte logo para Salvador para conhecer. Adorei o post.
    Tati

    • Analuiza Carvalho 13/09/2017 em 09:42 - Responder

      Tomara que volte mesmo Tati! A Casa do Rio Vermelho, para mim, é uma das joias da cidade. 🙂 bj

  7. Adriana Mendonca 05/02/2018 em 12:54 - Responder

    Sem dúvidas uma visita imperdível pra quem vai a Salvador! Uma delícia ler seu post e ver o tanto de história por trás dessa casa. Sensacional!

    • Analuiza Carvalho 05/02/2018 em 12:59 - Responder

      oi Adriana, eu concordo. A Casa do Rio Vermelho é um dos lugares mais sensacionais de Salvador. bj

  8. Flávia Donohoe 07/02/2018 em 07:04 - Responder

    que casa linda Aninha, visitar museus casas é sem dúvida um ótimo programa, ainda mais quando se trata de escritores tão queridos e reconhecidos, é muita história envolvida! Que lugar tão aconchegante!

    • Analuiza Carvalho 07/02/2018 em 15:39 - Responder

      oi Flávia… de fato a Casa do Rio Vermelho e uma das joias soteropolitanas. Já fui umas 3x e gosto muito. Recomendo a todos que visitam a cidade, tanto para quem gosta de Jorge como eu, como para os que não gostam ou não conhecem, pois a casa é muito legal! 🙂

  9. Marcia 07/02/2018 em 17:27 - Responder

    Ana, parabéns pelo post! Viajei em cada cantinho que você compartilhou aqui, mas confesso que dois momentos me emocionaram: a exposição de cartas e saber que há vários gringos visitando a casa. Abraços!

    • Analuiza Carvalho 07/02/2018 em 17:32 - Responder

      oi Marcia… tenho muito amor pela casa do rio vermelho e pelos livros de Jorge. Acho que ele e Zélia souberam viver a vida. Estes dois momentos que você cita também são dois dos meu preferidos! 🙂 bjuuusss

  10. Carla Mota 09/02/2018 em 07:16 - Responder

    Que lugar lindo e caseirinho. Parece mesmo a casinha. 😀

    • Analuiza Carvalho 09/02/2018 em 16:35 - Responder

      oi Carla… foi a casa onde eles viveram e onde estão espalhadas as cinzas de ambos. Jorge é um dos escritores mais importantes do Brasil e sua casa museu é espetacular!

Deixar Um Comentário