Uma (não) visita a Robben Island na Cidade do Cabo – África do Sul

A Robben Island na Cidade do Cabo é usada como prisão desde o século XVII. Durante o terrível sistema separatista do Apartheid na África do Sul continuou sendo utilizada para este fim, abrigando inúmeros presos políticos, dentre eles o líder e ex-presidente do país, Nelson Mandela.

Bilhetes para visitar a Robben Island

De uma coisa eu tinha certeza quando decidimos viajar para a Cidade do Cabo na África do Sul: faria uma visita a Robben Island, a ilha prisão onde Mandela esteve preso por 18 dos seus 27 anos de encarceramento. Eu sempre pensei como ele teria suportado aqueles dias, enclausurado sem ter cometido nenhum crime, sem (aparente) nenhuma reação de revolta por sua condição.

Queria muito ver de perto este lugar e me inspirar para tornar-me um ser humano melhor.

Assim, logo que definimos as datas de nossa visita a Cape Town compramos nossos bilhetes para este tour com dia e hora marcados pelo site do Museu da Ilha Robben. Foi fácil, pois o passo a passo é muito simples.

O passado de Robben Island

A Ilha Robben é utilizada como prisão desde o século XVII quando a Companhia Holandesa das Índias Orientais se estabeleceu no Cabo. O líder da rebelião do navio negreiro Meermin (século XVIII) e Makhanda (profeta) Nxele (século XIX), líder e médico do povo nativo Xhosa estiveram presos na ilha, naqueles distantes séculos.

O segundo morreu afogado quando tentava escapar de Robben.

Desde 1961 começou a ser utilizada como prisão para os presos políticos durante o cruel e trágico sistema segregacionista sul africano conhecido como Apartheid. Nelson Mandela não foi o único, mas com certeza foi o mais famoso deles, tornando-se o primeiro presidente negro do país e vencedor do Nobel da paz.

A Robben Island é hoje Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco, preservada como um triunfo daqueles que sobreviveram, que não quebraram, que mantiveram seus sonhos e principalmente sua alma, sua humanidade diante de seus algozes, brutais e miseráveis.

Robben Island na Cidade do Cabo

Nelson Mandela

Visita cancelada

Agendamos nossa visita para o domingo à tarde, nosso último dia na cidade: o que eu mais ansiava ver na Cidade do Cabo, deixamos para o final, de modo que pudéssemos absorver melhor mais este pedaço da história sul africana, após termos visitado outras peças deste quebra-cabeça histórico. Na manhã seguinte partiríamos numa road trip pela bonita região de Western Cape.

No dia em questão fomos almoçar no V&A Waterfront, pois o barco que nos levaria a ilha prisão partia dali, do Nelson Mandela Gateway, que fica próximo à Torre do Relógio. Almocinho leve e gostoso, pois estava um calor infernal. Seguimos para o ponto de partida e no meio do caminho recebemos uma mensagem informando que nossa visita a Robben Island havia sido cancelada.

A frustração chegou com força e de maneira imediata.

Fomos até o portão de embarque e ficamos sabendo que o barco havia quebrado, não havia previsão de concerto e que a única solução era receber o dinheiro de volta. Uma lástima. No final das contas, agendar a visita para o último dia de viagem, mostrou-se um erro, mas não havia lido nada que indicasse a possibilidade de cancelamento.

A Fernanda Scafi teve a felicidade de fazer esta visita. “Depois de 1 hora no barco, chegamos à ilha e todos vão para os ônibus que fazem um tour de 45 minutos” diz ela e conta muito mais no texto intitulado: Uma das prisões onde Nelson Mandela ficou.

Robben Island na Cidade do Cabo

V&A Waterfront na Cidade do Cabo

Exposição sobre o passado do Cabo

Sem visita, ficamos então um tempo ali. Aproveitamos para ver a pequena exposição no Nelson Mandela Gateway, que dava conta do passado da Cidade do Cabo relacionado com a Robben Island e o Apartheid. Achei muito interessante. Através de textos e imagens dispostas em amplos cartazes viajamos pelo pretérito local.

Ali está a história do líder Xhosa Makhanda Nxele e de como ele insuflou um ataque contra os britânicos no início do século XIX, indo parar em Robben Island. Encontramos também a absurda legislação do Apartheid mostrando a realidade chocante daqueles tempos em que uma pessoa tinha seu espírito quebrado por causa da cor da sua pele.

Robben Island na Cidade do Cabo

Nelson Mandela Gateway – de onde partem os barcos para a ilha e onde tem uma pequena exposição

  • “É negado ao povo negro a opção de apelar nas cortes contra as remoções forçadas”;
  • “Separação física entre raças através da criação de diferentes tipos de áreas residenciais”;
  • “Nenhuma pessoa negra podia deixar a área rural para uma área urbana sem a permissão do autor local para procurar trabalho, que deveria ser obtido dentro de 72 horas após a conclusão”.
  • “Segregação forçada dos negros em todas as áreas, transporte e prédios públicos de modo a eliminar qualquer contato entre raças”…

Estar diante disso, saber que esta foi a existência miserável da África do Sul por décadas foi assustador.

Robben Island na Cidade do Cabo

Líder Xhosa preso na Robben Island séculos atrás

Robben Island na Cidade do Cabo

Pedaços lamentáveis do apartheid na África do Sul

Na exposição, mas no andar acima, encontramos ainda uma réplica da cela em que Mandela esteve preso. Um espaço diminuto de apenas 4 metros quadrados, com uma pequena janela, uma cama e nenhum conforto. Sufocante. Mandela ficava incomunicável, pois o regime tinha medo de que ele incitasse um motim ou algo desta natureza.

“Embora não nos esqueçamos da brutalidade do apartheid, não queremos que a ilha de Robben seja um monumento às nossas dificuldades e sofrimentos.

Queremos que seja um triunfo do espírito humano contra as forças do mal, um triunfo de sabedoria e grandeza de espírito contra mentes pequenas e mesquinhez. Um triunfo de coragem e determinação sobre a fragilidade e fraqueza humana”.

Ahmed Kathrada, 1993

Robben Island na Cidade do Cabo

Uma réplica da diminuta cela de Nelson Mandela em Robben Island na Cidade do Cabo

Quer conhecer outro lugar incrível na Cidade do Cabo?! Então clica no link bem aqui abaixo!Cais da Ilha de Genebra

+ O Prestwich Memorial: uma volta ao ontem de Cidade do Cabo por seus fantasmas

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Google+

              A Robben Island na Cidade do Cabo é usada como prisão desde o século XVII. Durante o terrível sistema separatista do Apartheid na África do Sul continuou sendo utilizada para este fim, abrigando inúmeros presos políticos, dentre eles o líder e ex-presidente Nelson Mandela. #robbenisland #cidadedocabo #capetown #africadosul #viagem #viajantesempressa #espiandopelomundo

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de GenebraRobben Island na Cidade do Cabo, África do Sul  ficará guardada em seu perfil no  Pinterest🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

A Robben Island na Cidade do Cabo, África do Sul

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer a Robben Island na Cidade do Cabo, África do Sul, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

 

By |2018-09-10T11:37:15+00:0008/09/2018|Categories: África, África do Sul, Cidade do Cabo|Tags: |10 Comentários

10 Comments

  1. camila latorre 10/09/2018 em 19:29 - Responder

    Caraca, que sacanagem!
    Eu passei algo parecido. Em Seul iria a zona desmilitarizada porém com um soldado norte coreano fugiu para coreia do sul os passeios foram cancelados a semana toda q estaria lá…
    Pelo menos o museu era legal e deu pra ter uma ideia de como foi dificil esses anos pro Mandela…
    ele é fonte de inspiracao!

    • Analuiza Carvalho 10/10/2018 em 12:32 - Responder

      oi Camila… uma droga quando isto acontece né?! Frustra muito!!! Sim, pelo menos fiz este passeio pelo passado sul africano através de palavras e imagens, o que ajudou a aliviar um bocadinho a decepção. Afinal, como você disse, Mandela inspira! bjus

  2. Cynara Vianna 11/09/2018 em 10:19 - Responder

    Poxa, quando esses imprevistos acontecem deram a gente pra baixo, mas nada como repensar com calma e seguir para outro destino. Vi que aproveitaram o dia apesar do perrengue que sabemos que sempre estamos predispostos a eles em viagens.

    • Analuiza Carvalho 10/10/2018 em 12:23 - Responder

      oi Cynara… pois então, a frustração foi mesmo imensa e demoramos um tempo para recalcular a rota e pensarmos no que fazer. Visitamos então o Castelo da Boa Esperança e apesar do calor infernal, foi uma visita bacana que recomendo inclusive colocar no roteiro. É isso mesmo que você disse: quem viaja está mesmo sujeito a perrengues e imprevistos e temos que reformular a partir do que temos. No final sobram-nos histórias e experiências. bjus

  3. Michela Borges Nunes 11/09/2018 em 11:42 - Responder

    Puxa vida, Ana, que dó. Eu comecei a ler o texto bem empolgada com a tua narrativa do lugar, nossa, deve ser um passeio muito legal, e logo no último dia ali isto foi acontecer? Uma pena, mas desejo que tenhas a oportunidade de voltar lá e conhecer este local cheio de história.

    • Analuiza Carvalho 10/10/2018 em 12:20 - Responder

      oi Michela… foi mesmo uma frustração sem tamanho, mas fica a lição. Aquilo que nos é muito importante devemos fazer logo no início da viagem para tentarmos contornar possíveis contratempos. 🙂 bjus

  4. MAIZA NARA DOS SANTOS 13/09/2018 em 16:55 - Responder

    que visita sensacional! Nem imagino quão importante foi visitar todas as peças do quebra-cabeças! Muito obrigada por compartilhar!

    • Analuiza Carvalho 20/09/2018 em 12:36 - Responder

      oi Maiza… para mim foi muito importante conhecer pedaços da história da Cidade do Cabo. Muita coisa aconteceu nestas terras! 🙂 bj

  5. Cristina 14/09/2018 em 09:31 - Responder

    Puxa, que frustração em?!
    Mas pense que é um motivo pra voltar!!
    Tb fiquei curiosa pra conhecer

    • Analuiza Carvalho 20/09/2018 em 12:34 - Responder

      oi Cristina… é o jeito né?! pensar que um dia eu posso voltar e então visitar a Robben Island. 🙂 bjs

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.