A Quinta do RELÓGIO de Sintra

Quando nós deixamos a Quinta da Regaleira, horas depois de termos chegado, em exploração extasiada por este lugar repleto de magia e simbolismos, demos de cara com uma casa meio abandonada que rapidamente nos remeteu ao estilo mudéjar que vimos tantas e tantas vezes na velha Andaluzia. Estávamos diante da Quinta do Relógio.

Somente mais tarde eu descobri que este lugar que chamou tanto nossa atenção tem muita história para nos contar.

Conheça mais do mundo mágico da Quinta da Regaleira:

+ Quinta da Regaleira

A Quinta do Relógio

A Quinta do Relógio data do século XVIII tem mais de 2.000 metros quadrados, sete quartos, sete banheiros, três salas e um jardim que já deve ter sido belo. É propriedade privada e, portanto só pudemos namorá-la através das grades de ferro.

Tudo neste lugar me atraiu e gostaria de tê-la explorado, mesmo assim em desmazelo. Gostaria sobremaneira de ter visitado seus fantasmas…

Possuiu muitos donos e atualmente está à venda. Reza a lenda que uma das interessadas é (ou era, ou até já comprou – não se sabe ao certo) a cantora Madonna.

O nome

Seu interessante nome vem de um de seus proprietários chamado Metznar que mandou construir uma torre com sinos que batia para anunciar as horas ao som de minuetes e assim ficou conhecida como a Quinta do Relógio!

Infelizmente tal torre não existe mais. Pereceu com o tempo!

O jardim e o sangue escravo

O jardim, que dizem ter sido exuberante, foi construído a mando de outro proprietário, Manuel Pinto da Fonseca, homem que enriqueceu com o tráfico de escravos para o Brasil. Foi sob suas ordens que plantaram pinheiros, cedros e magnólias.

Foi nesta época ainda que a quinta ganhou esta aparência neo-árabe que me levou a pensar na Andaluzia. Carrega inclusive uma frase muito utilizada pelos reis árabes de Granada que diz: Deus é o único vencedor.

Há uma história que alcançou tempos presentes que dá conta que certo dia o rei D. Pedro V (1837 – 1861 iniciou o reinado em 1853) passeava pela região com seu amigo, o marquês de Sá da Bandeira, quando passaram em frente a Quinta do Relógio.

O amigo escutando um barulho melancólico perguntou do que se tratava, ao qual o rei respondeu que com certeza era ruído de água.

O marquês discordou e teria dito que não, que aquele murmúrio era o sangue dos negros flagelados pelo chicote que Manuel Pinto da Fonseca transformou em ouro.

Uma lua de mel real

Em fins do século XIX, D. Carlos de Bragança e D. Maria Amélia de Orleans, futuros reis de Portugal, aqui passaram sua lua de mel.

Desde que pisei os pés na encantada Sintra, eu sabia que esta era uma cidade para os apaixonados.

Eu fiquei tão enamorada pela Quinta do Relógio que esqueci-me completamente de tirar fotos. A que está na capa, única a ilustrar este texto, foi tirada na saída da Quinta da Regaleira, de onde podemos ver uma nesga da fachada raiada em estilo árabe da quinta.

By |2017-08-27T11:35:58+00:0024/08/2017|Categories: Sintra|Tags: , |13 Comentários

13 Comments

  1. Michela Borges Nunes 28/08/2017 em 09:41 - Responder

    Que lugar interessante e quanta história. Pena só poder ser avistada a quinta por grades, né? Mas achei muito legal e diferente. Adoro ler teus posts, Ana, porque muitas vezes nos apresenta coisas novas que eu nem pensava existir. Beijos.

    • Analuiza Carvalho 30/08/2017 em 08:50 - Responder

      Oi Michela… eu fiquei imensamente feliz com sua mensagem! Adorei saber que gosta do que publico no EPM. Sua visita é sempre muito bem vinda!

      Uma pena mesmo que sendo a Quinta do Relógio propriedade privada só possamos ver através de grades. Eu bem gostaria, entretanto, de perambular por seu interior. ehehe bjus

  2. Ruthia 28/08/2017 em 09:54 - Responder

    Analuiza, nunca tinha ouvido falar nessa Casa ou Quinta do Relógio. O que prova que estamos mais atentos aos tesouros no estrangeiro do que no nosso país. Quando voltar a Sintra vou conferir o lugar que a impressionou desta maneira. E que lugar, se até mereceu uma lua-de-mel real!
    Beijinho

    • Analuiza Carvalho 30/08/2017 em 08:53 - Responder

      olá Ruthia… sabes que acho que tens mesmo razão. Parece que costumamos apurar mais o olhar quando estamos viajando, mas é bom abrir bem os olhos quando estamos em nossa cidades, país né?!

      Foi uma surpresa inesperada ver a Quinta. Não deve mesmo chamar a atenção, pois é propriedade privada, está fechada, meio abandonada e só podemos ver uma nesguinha dela. Suficiente para me deixar encantada e querer mais! Se for até lá, me conte! Eu achei Sintra uma cidade encantada! bjs

  3. Leo Vidal 28/08/2017 em 18:34 - Responder

    Adorei saber um pouco mais da história. Minha passagem por Sintra foi muito rápida e não conheci a história completa.

    • Analuiza Carvalho 29/08/2017 em 16:42 - Responder

      oi Leo… Sintra me deixou muito encantada. Fiquei 2 noites lá e mesmo assim foi bem corrido. Volte um dia, que a cidade é muito fofa! 🙂 bjus

  4. Alessandra Fratus 28/08/2017 em 21:55 - Responder

    Fiquei curiosa com esse lugar. Não conhecia! E se você ficou tão encantada que se esqueceu das fotos, deve ter mesmo valido a pena conhecer, né?! Muito legal!

    • Analuiza Carvalho 29/08/2017 em 16:33 - Responder

      Eu achei a pequena nesga da casa que eu consegui ver muito bonita Alessandra. E aquele ar desolado… Me conquistou. eheheh bj

  5. Thiago 30/08/2017 em 00:31 - Responder

    As histórias dessas cidades que passaram por tanta coisa são realmente um ponto alto da viagem. Nós adoramos. Belo relato e ótima dica.

    • Analuiza Carvalho 30/08/2017 em 05:54 - Responder

      oi Thiago… tem toda razão! Estas cidades antigas tem é história para contar! E eu também adoro escutá-las! 🙂

  6. Aurélio 30/08/2017 em 11:20 - Responder

    Deve ter sido a última visita.

    A casa tem um novo (a) proprietário (a):

    ADIVINHEM QUEM, ANTES DE LER A NOTÍCIA.

    http://www.sabado.pt/social/internacional/detalhe/madonna-compra-quinta-luxuosa-em-sintra

  7. Juliana Moreti 06/09/2017 em 14:40 - Responder

    Ana
    Nao me lembro deste lugar. E’ aquele palacete que fica bem na frente da Quinta? Eu nem foto fiz.. Me parecia um local abandonado que havia virado estacionamento! Aliàs, ficamos em um hostel ai perto, em uma ruazinha que inicia bem ao lado deste prédio.
    E que curioso! Olhando na net, parece que a Madonna comprou mesmo!
    😉

    • Analuiza Carvalho 13/09/2017 em 09:02 - Responder

      Sim, Ju, bem em frente a entrada/saída da Regaleira. Sim, um local abandonado, mas que a mim me pareceu cheio de classe e logo me chamou a atenção por sua estrutura. Bem ali, entre as grades, coloquei meu nariz e espichei os olhos, ávida de curiosidade. Naquele momento eu nem sabia que a Madonna estava interessada (bom gosto o dela), mas ao que parece ela comprou a Quinta sim.

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.