O que fazer em CHICAGO: roteiro pela maravilhosa Cidade dos Ventos

Chicago… eu sempre soube que gostaria dessa cidade. Gostei. Muito. Foram apenas 5 dias de visita. Poucos, mas intensos! Ela tem um jeitão industrial, estranho às vezes, malacabado em alguns momentos… ou seja, bonita e atraente aos meus olhos. O que fazer em Chicago?! Acredite, caro viajante: muitas coisas!

Caminhamos muito, nos misturamos às pessoas, vimos bairros distintos, cenas de filmes e de história pretérita e presente também… olhamos e absorvemos. Chicago é uma cidade excelente para longas caminhadas sem rumo. É dessas cidades tão lindas durante o dia quando durante a noite. Andamos muito e a todo instante nos rendemos a ela.

Leo voou antes de mim, eu fui alguns dias depois. Tive voo cancelado, suei muito a camisa tentando negociar novo voo e correndo pelos aeroportos para não perder as conexões apertadas. Um suspiro a mais e tudo se complicaria. Mas no final deu tudo certo, muito certo, apesar de ter me perdido em Guarulhos, Miami e até Chicago! Já aceitei o fato de que sou muito desorientada. Muito!

Uma cena de cinema em Chicago

Leo, meu príncipe, meu amor, estava me esperando na estação de trem do aeroporto de Chicago ao lado (propositadamente) de um flautista. Nunca vou me esquecer a cena dele ali no fim do longo corredor, braços cruzados, música ecoando, sorriso no rosto. Depois de 15 anos juntos meu coração ainda bate muito forte por ele.

No trem a caminho do hotel, eu tagarelando, ele me contando sobre a cidade, eu transbordando de alegria pelo reencontro. Depois disso, fomos viver Chicago. Ele refez comigo seus passos para que eu pudesse ver com meus próprios olhos o que tinha me contado. Eu, completamente encantada pelo clima e atmosfera da cidade. Foram mesmo dias maravilhosos. Poucos, mas intensos!

Em tempo; o sistema de transporte público de Chicago funciona muito bem. Nós usamos muitas vezes e foi ótimo!

Uma #viajantesempressa cheia de amor por seu marido companheiro de vida passeando por #Chicago.

Os trechos abaixo relatam, com cadência própria de nosso ritmo de viagem, o que fizemos em Chicago dia a dia, fragmentos dessa cidade incrível para que você, caro viajante, monte seu próprio roteiro e escolha o que fazer em Chicago.

Dia 01 – de Salvador para Chicago: voo cancelado e muita suadeira

O que fazer em Chicago

Chicago é ótima para longas caminhadas

Desde que pisei os pés no aeroporto de Salvador até desembarcar em Chicago foram 24 horas.

Cheguei no ALÉM (Aeroporto Luis Eduardo Magalhães) cedo, fiz check-in e despachei minha mala. Dei uma volta naquele imenso e interessante aeroporto  (isso foi uma ironia!) e entrei para a sala de embarque. Faltando uns 15 minutos para a Latam (o voo era American Airlines, code share com a Latam) iniciar os procedimentos de embarque para Guarulhos, o voo foi cancelado.

Gelei!

O que aconteceu foi que no início da manhã Cumbica ficou fechado por 2 horas causando efeito cascata, cancelando diversos voos. O próximo avião da Latam decolaria para GRU (aeroporto de Guarulhos – Cumbica) apenas às 18:30. Eu perderia a conexão para Miami. Pedi ajuda a uma supervisora da Latam, ela me encaminhou para a loja e 3 horas depois da notícia do cancelamento eles me colocaram num voo da Gol das 17h.

Mofei naquele maravilhoso (olha a ironia de novo!) Aeroporto Internacional de Salvador. Devo dizer que tanto a Latam quanto a Gol trabalharam muito bem por mim! Como minha mala estava dentro dos padrões (costumo viajar com bagagem pequena), pude levar na mão o que me fez ganhar tempo em Guarulhos porque minha conexão agora estava muito, muito apertada. Além disso a GOL me colocou nas primeiras poltronas, então desembarquei super rápido.

Desde que cheguei ao aeroporto de Salvador que estou suando a camisa. Lá, porque o ar condicionado nunca funciona. Em Guarulhos porque tive que correr todo o Terminal 2 e Terminal 3 para chegar a tempo no balcão da American Airlines. Depois corri novamente até meu portão de embarque. Ainda bem que sou yogini e corredora de rua. 😁 😁 😁 😁 😁

Em Miami mais passos apressados, pois o voo atrasou em Guarulhos e eu corria o sério risco de perder a conexão para Chicago. No fim deu tudo certo, incluindo o controle de passaporte em Miami e toda a burocracia na conexão para reembarcar para a Cidade dos Ventos, meu tão esperado destino final.

Quando eu cheguei na estação de trem de Chicago e vi Leo me esperando ao lado dum moço tocando flauta eu chorei: de alívio, de cansaço e de saudades.

Chicago é espetacular. Tem mil elementos urbanos diferentes numa mistura surpreendente. Uma desconexão, uma mistureba que forma um conjunto muito apaixonante. A cidade é leve, arejada… A sensação que eu tive hoje ao perambular pelas ruas é que as décadas foram se acumulando sobre a cidade e todas elas estão muito vivas. Uma cidade que valoriza o verde, o urbano, os ônibus não poluentes e a energia solar.

Mal cheguei e já gamei toda por esta Chicago linda!

Almoçamos no Portillo´s um italian beef que estava na promoção 2 por 1 e de coisa boa e barata a gente adora muito. O jantar?! Uma deep pizza, típica de Chicago num lugar bem simpático chamado Ora! Curti adoidado! 😁 Entre um e outro apenas caminhamos pela linda região do Chicago Tribune e também pelo agradabilíssimo Millenium Park com seus fantásticos personagens, incluindo o símbolo da cidade: o Feijão.

Uma #viajantesempressa perambulando por Chicago e apaixonada! 😍😍

Dia 02 – Um dia no museu em Chicago

O que fazer em Chicago

As manhãs começavam com uma caminhada pelo Lago Michigan

Acordamos cedo. Uma das vantagens de visitar uma cidade com fuso atrasado em relação a Brasília. Caminhamos pela cidade, linda com sua deliciosa confusão de estilos. Trânsito da manhã pesado. Pessoas correndo, pessoas indo trabalhar… a vida matutina de uma cidade é sempre uma dança que me atrai.

Tomamos café da manhã num lugar que preza a comida orgânica, natural, saudável… pão, ovo, café, sinônimos de dia que começa bem para mim. O nome?! Hannah´s Bretzel.

Fomos então para o Art Institute Chicago, o segundo maior museu dos Estados Unidos, só perdendo para o MET em Nova York. Este é um dos principais do mundo. Enorme, o Instituto de Arte de Chicago é apaixonante. Eu esqueci do tempo e do mundo enfiada entre o passado visto pelas cores e olhos de tão variados artistas do mundo.

Por 9 horas nós visitamos Europa, Estados Unidos e o Oriente através das inúmeras obras expostas em suas salas. Mergulhamos no mundo de Pissarro, Monet e Renoir. De Courbet, Degas, Van Gogh e Daumier… A lista de ilustres moradores deste museu esplêndido é longa, longuíssima… Todos eles me proporcionaram instantes de puro prazer. Perambulamos por Shivas e Ganeshas e seus espetaculares e milenares significados.

O museu é eclético com obras de arte de muitas eras e de pintores diferentes. Esculturas, mobiliário, miniaturas e fotografias também estão por ali. Ahhhhh… a exposição de fotografias me levou à Chicago dos anos 60: anos de segregação e luta. Foi uma viagem sensacional!

Isso sem contar com nosso encontro com “Curtindo a vida adoidado”! 😊😊😊 Foi incrível!

Well, shake it up baby now
Twist and shout
Come on, come on, come, come on baby now…

Saímos do museu quando fechou: 20 horas. Ainda havia luz natural e nos misturamos às pessoas nas ruas. Ouvimos música e seguimos o som: estava acontecendo um evento de cervejaria local com banda. Ficamos por ali, balançando discretamente o esqueleto, observando pessoas e a cidade ganhando outros ares com a iluminação artificial.

Tão bonita quanto iluminada com a luz do sol.

Eu adoro os fins de tarde de uma cidade onde posso me embaralhar ao cotidiano, sentir sua vibração, seus sons, perceber seu ritmo e observar seus moradores. É como se um tipo de intimidade, ainda que temporária e fugaz, se desenvolvesse entre mim e o ordinário de uma cidade.

Passamos então no Walgreens, que tem em todo canto de Chicago, um lugar que é um misto de muitas coisas, e compramos comida e vinho e encerramos o dia no quarto, com um modesto, barato e gostoso piquenique.

Neste segundo dia eu estou ainda mais encantada com Chicago.

Uma #viajantesempressa feliz da vida em Chicago.

Dia 03 – Chicago e seus personagens

A bela fachada da Union Station

O que eu posso dizer?! Chicago é apaixonante! 😍😍 O café da manhã foi num mercado pequeno, mas muito variado com opções para todo gosto chamado French Market. Comi um bagel com queijo e ovo que estava maravilhoso. Depois um duplo expresso para tudo ficar ainda mais iluminado. Estava forte do jeito que eu gosto, mas sendo frutado não me agradou muito.

Seguimos pelas ruas: os elementos urbanos de Chicago são intensos, fortes, cheios de personalidade. Namoramos pontes, prédios e igrejas. Não nos fizemos de rogados e nos permitimos ser invadidos por todos os estímulos externos desta cidade.

Fomos para nosso primeiro encontro do dia com Al Capone:

Hei, Al Capone, vê se te emenda
Já sabem do teu furo, nego
No imposto de renda

Hei, Al Capone, vê se te orienta
Assim desta maneira, nego
Chicago não aguenta” – (Dá-lhe, Raulzito)

O encontro aconteceu, claro, na Union Station! A estação é linda, mas estar em um clássico do cinema só aumentou a  minha emoção. Nem sei quanto tempo ficamos por ali! Muito! Insuficiente! Saímos de lá novamente para as ruas que hoje estavam super movimentadas. Sexta-feira! Pausa para um café num lugar lindo, decorado cheio de arte: Intelligentsia Coffee – até o nome é criativo!

Como essa cidade respira arte!

Próxima parada, Cultural Center. Aí foi emoção! Vimos uma pequena exposição de uma artista local que pinta Chicago. Vimos uma exposição que conta a história do blues/jazz/gospel na cidade. Ao finalizarmos nos deparamos com uma apresentação gratuita de blues!

Ahhhhhhh… quase choro!!!!! Foi lindo! “Oh, noooo! Do you want love?!” Quase 1 hora de música maravilhosa! Teve até um casal mais assim, na flor da idade avançada, ele com certo problema de locomoção, que não se aguentou: eles levantaram, dançaram, trocaram beijinhos e olhares apaixonados. Coisa mais linda de ver! Eu me senti num filme!

Viva a vida!

Em seguida fomos para nosso segundo encontro com Al Capone; um tour guiado pelo espetacular edifício do Cultural Center, que além de magnífico é repleto de histórias, tanto que o recorrido durou mais de 1 hora e passou voando.

Voltamos para as ruas onde vimos mais arquitetura maravilhosa e mais elementos urbanos fortes e inebriantes. Eu estava presa naquela cidade e queria que me esquecessem por ali!

Almoçamos na Macy’s: cachorro quente típico de Chicago! Imbatível!!!!! Apaixonei!!!!! 😁

Subimos então o The Signature Room at the 95th para cerveja e vista incrível de cidade. Para completar, à noite comi a melhor pizza da vida, num dos muitos shoppings da cidade. Ah, Chicago! Assim eu não consigo ir embora! Já te amo, sabia?!

Uma #viajantesempressa completamente apaixonada por Chicago.

Dia 04 – Chicago e sua beleza

Curtindo no Navy Pier

Continuo vivendo um caso de amor com Chicago. ❤❤ Tudo começa com café. E nos Estados Unidos, como os americanos: copão de café. Para comer, omelete, torradas, panquecas, batatas, frutas… tudo em grandes quantidades e gostosura no Eggsperience.

Aqui quando o negócio é comer, não se brinca em serviço!

Após tanta comilança nos pusemos em movimento! Fomos para o Navy Pier sob um calor de 32 graus, céu azul e sol forte. A branquela aqui sofreu. Saía catando tudo quanto era sombra para me esconder do sol um bocadinho.

O lugar, um píer com restaurantes à beira do bonito lago Michigan, com sua incomum cor verde, estava lotado de gente aproveitando o sábado. Os restaurantes colocam umas barraquinhas na entrada vendendo bebida, então as pessoas compram e saem caminhando ou sentam nos bancos, conversando, observando o movimento e apreciando o belo cenário.

Fizemos o mesmo!

Notei que a maioria das pessoas estava em família e não em grupos de amigos. Achei isso curioso, pois sempre achei que o americano fosse mais bicho solto.

Outra coisa que chamou minha atenção foi a informalidade das pessoas. Quase todas as mulheres que passaram por mim estavam de tênis ou rasteirinha, shorts ou vestido e pouca ou nenhuma maquiagem. Nós estávamos acompanhados de uma amiga de Leo, americana, que voou para Chicago só para nos ver. Fofa!

Deixamos o Navy por um bonito jardim cheio de flores fazendo espetacular contraste com os modernos edifícios ao fundo.  Comemos burgers com cerveja e batata frita no Howells & Hood. Esta Chicago está me corrompendo! Estou deixando sem impor nenhuma resistência!

Após o almoço a temperatura havia amainado um pouco. Já eram 17 horas, o dia que só escurece às 20 horas estava claro e as ruas apinhadas de gente. Deixamos a multidão para trás, pegamos o trem e viajamos para o passado de Chicago perambulando pela Old Town. Que lugar atraente, charmoso e agradável. Apaixonei mil vezes!

Ainda passamos pelo Lincoln Park: outro lugar delicioso da cidade para se estar. Apenas isso: estar. Entupidos de comida, cansados do calor, encerramos o dia sem jantar, mas com um banho restaurador.

Uma #viajantesempressa feliz da vida em Chicago!

Dia 05 – último dia em Chicago e a saudade já deu as caras

Pelo área do Millenium Park num fim de tarde de um dia que ferveu

O dia hoje em Chicago foi de um calor deselegante. O céu esteve muito azul e o sol brilhou forte.

Tomamos café da manhã no Eataly: pão com muito queijo de búfala e tomate. Café duplo, forte e encorpado. Tudo estava gostoso. Chicago ainda estava acordando, poucas pessoas nas ruas, mas os lugares de café da manhã estavam cheios.

Chicago é uma cidade meio preguiçosa aos domingos.

Seguimos para uma feira de rua. Um pedaço do México em Chicago. O forte eram as comidas, mas havia muita bugiganga sendo vendida. Umas poucas coisas legais. O que eu fiquei me perguntando no pouco tempo em que estivemos na feira foi como aquelas pessoas estavam aguentando ficar debaixo daquele sol inclemente. E comendo?!!!!

Não sei pelo calor (que sempre me deixa de péssimo humor) ou se pelo lugar em si. Fato é que detestei a tal feirinha!

Depois, fomos visitar Little Italy: um passeio bem interessante. Pena que o calor estava indecente e eu virei uma caçadora de sombras. Com o sol doído assim, a sensação que eu tenho é que para dar um passo uso a energia de 100 e tudo fica mais penoso.

No meio do caminho encontramos uma biboca fofa demais vendendo limonada. Foi como encontrar um oásis no deserto. Nunca pensei que fosse AMAR, assim mesmo de uma maneira descompensada e exagerada, uma limonada! Mas amei, me deliciei e desejei mais!

Na pequena Itália fomos de pizza e pasta para o almoço no clássico Pompei. Deliciosas! O atendimento risonho e simpático. Eficiente! De lá nós fomos de trem para a região onde fica o estádio do Cubs. Eu não entendo nada de beisebol, mas amo o clima de estádio. Não entramos, mas ficamos um tempo por ali observando a movimentação dos torcedores que chegavam para o jogo. Pura eletricidade!

Ficamos bastante tempo nessa região olhando a arquitetura antiga, bonita e diferente.

Pegamos um ônibus para ver o dia indo embora à beira do lago Michigan. Entraram também 2 americanas jovens. Elas colocaram 20 dólares na máquina sem ler que não dava troco. Resumo da ópera: pagaram 20 dólares por 2 passagens de busão. Primeiro elas ficaram incrédulas. Depois desoladas. Fiquei com pena!

Ficamos um tempo de bobeira, sentados na orla do Michigan…. Um cenário bonito por ali. Muita gente passeando, correndo, namorando… naqueles momentos paramos o tempo um pouquinho. Jantamos cachorro quente: os de Chicago são os melhores da vida! Escureceu, hora de caminhar de volta ao hotel. Amanhã tomamos o caminho da roça. Hora de voltarmos ao Brasil.

De Chicago para o Brasil – de volta para casa

O que fazer em Chicago

Foi bom DEMAIS Chicago. Vou com a certeza de que eu volto!

Foi muito bom Chicago! Agradeço ao Universo por mais uma linda viagem, por mais um aprendizado intenso. A cidade entrou em meu coração pelo que é: fresca, agradável, amigável, linda e urbana. Mais que isso: superei obstáculos para estar aí, então esta viagem teve uma aura mais intensa de vitória e até de romantismo.

Tomamos um cafezinho na Nespresso logo que acordamos. Pessoal simpático! Me ensinaram a sentir o bouquet do café. Recebemos risos e afeto. Depois, pizza no Eataly. Deliciosa, grande, deep… Fomos nos despedir da cidade na região do Chicago Tribune com suas pedrinhas do mundo todo. As ruas estavam lotadas por conta do Memorial Day… como desejei não estar indo embora.

Maaaaas, sempre tem a hora de partir. Pegamos um trem do hotel – hospedagem perfeita – até o aeroporto.

Os procedimentos de check-in em Chicago na American Airlines foram simples. Raio-x demorado. Conexão em Miami sem problemas. Desembarcamos em Brasília e seguimos para Salvador.

O fim de uma viagem é sempre o início de outra. Que venha o próximo destino, pois!

Uma #viajantesempressa agradecida pelos dias em Chicago.

Quer saber o que fazer em outra cidade americana?! Então clica no link bem aqui abaixo!Cais da Ilha de Genebra

+ Roteiro por Nova York

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Trip Advisor

#Chicago é maravilhosa. Urbana, possui muitos elementos interessantes e atraentes que a tornam sensacional! Há muito o que fazer por lá e sugiro um #roteiro ótimo de 5 dias para quem visita a #cidade pela primeira vez. #espiandopelomundo #viajantesempressa #USA #america #estadosunidos #viagem              #Chicago é maravilhosa. Urbana, possui muitos elementos interessantes e atraentes que a tornam sensacional! Há muito o que fazer por lá e sugiro um #roteiro ótimo de 5 dias para quem visita a #cidade pela primeira vez. #espiandopelomundo #viajantesempressa #USA #america #estadosunidos #viagem

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de Genebraeste maravilhoso roteiro contando sobre o que fazer em Chicago ficará guardado em seu perfil no Pinterest 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

O que fazer em Chicago

Se você, meu caro viajante, gostou deste roteiro contando o que fazer em Chicago, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

 

By |2019-05-15T12:57:14+00:0017/12/2018|Categories: Em Poucas Palavras|Tags: , |0 Comentários

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.