O IMPRESSIONANTE vulcão RANO KAU

Saindo de Ana Kai Tangata, seguimos para o Rano Kau, o vulcão. Confesso que não estava preparada para aquela grandiosidade. Perdi o fôlego literalmente!

Há várias maneiras de chegar nele porque uma estrada passa pela beira do vulcão, dando acesso a carros e bikes, mas nossa opção foi caminhar pela floresta de eucaliptos. São mais ou menos 3 quilômetros subindo e sentindo o delicioso aroma tão característico desta árvore.

A vista é linda e à medida que vamos subindo vemos surgir o azul do mar em contraste com o verde da floresta. A subida é um passeio em si. A entrada da trilha não é muito bem marcada, mas não é impossível achá-la.

O vento que corre entre as árvores

Rano Kau

Seguindo as placas com nossos guias – o caminho para o vulcão Rano Kau é o mesmo para a Vila Cerimonial de Orongo

Rano Kau

A sinalização

Apesar de serem apenas 3 quilômetros, a subida cansa. Fizemos algumas paradas para fotos, beber a água que havíamos comprado em Hanga Roa e para descansar, aproveitando a paisagem e a natureza.

Muitas vezes, durante a caminhada, nos sentamos no chão, em contemplação, ouvindo a trilha sonora daquele lugar: o vento que corria entre as árvores, entoando uma canção, fazia com que toda a vegetação, mesmo a rasteira, dançasse. Foi um espetáculo exclusivo, VIP, já que além dos espíritos que habitam as florestas, somente Léo e eu fazíamos a pequena trilha.

O dia estava bonito, o céu azul, os fortes ventos tinham amainado e a chuva que caiu forte pela manhã, tinha parado. Mal sabia eu que logo, logo eles apareceriam com força total!

Guias especiais

Rano Kau

A vista na trilha

Em alguns momentos as árvores dão lugar a uma vista larga, ampla onde vemos o oceano, o infinito. É magnífico!

Durante toda a caminhada, o nosso guia, o mesmo cachorrinho que nos conduziu até Ana Kai Tangata, nos acompanhou e nos esperou pacientemente todas as vezes em que nós paramos, voltando a andar em nossa frente, como a indicar o caminho uma vez mais.

O vulcão Rano Kau

Rano Kau

A ilha é bem sinalizada

Rano Kau

O espetacular vulcão Rano Kau – a parte mais baixa do vulcão, ao fundo, é o local por onde passavam os homens-pássaro

Quando chegamos ao fim da trilha, demos de cara com a estrada asfaltada. Atravessamos e o vulcão Rano Kau apareceu de chofre, diante de nós.

O lugar é tão impressionante que não parecia real. Estávamos mesmo diante da cratera de um vulcão: o Rano Kau me deixou deslumbrada! Literalmente me curvei diante daquela vista. O vulcão faz um lindo contraste com o belíssimo azul do oceano pacífico.

Na parte recortada, mais baixa, acontecia o início da cerimônia do Homem Pássaro. Esse ritual aconteceu por mais ou menos 4 séculos, do XV ao XIX, quando missionários católicos proibiram o que eles chamavam de ritual pagão.

Ritual do Homem Pássaro

Rano Kau

Impressionante com o azul do oceano pacífico ao fundo

Rano Kau

Imagina se Rano Kau acorda?

Os chefes dos clãs de Rapa Nui escolhiam representantes que, no início de cada inverno, disputavam para ver quem pegaria primeiro o ovo posto pela andorinha negra – Manu Tara – em uma ilhota a 1,6 quilômetros da costa.

Quem ganhasse dava ao chefe o direito de governar a ilha pelo próximo ano inteiro. Deve ter sido um espetáculo bonito de ver. E os nadadores eram sem dúvida homens corajosos por enfrentarem a natureza bruta e os ventos furiosos da Ilha de Páscoa.

Mas isso hoje em dia são somente histórias.

A estrutura do vulcão Rano Kau

Rano Kau

O vulcão Rano Kau impressiona

O vulcão tem 200m de altura e 1,6 quilômetros de diâmetro cheios de água e plantas do que poderia ser um grande caldeirão de bruxa, ou quem sabe de algum deus Rapa Nui?

Não havia ninguém por ali, somente nós e o vento e aquela grandiosidade da natureza. Sentamos e esquecemos completamente do tempo. Para falar a verdade, por alguns instantes eu até esqueci que Léo estava ali. Entrei em mundo paralelo onde só existíamos o Rano Kau e eu.

Rano Kau

Fiquei absolutamente hipnotizada com o lugar

Enquanto estava neste estado contemplativo, fiquei imaginando se o Rano Kau resolvesse acordar. Se dormindo, ele já tem o poder de maravilhar, fiquei pensando como não deve ser um espetáculo estonteante vê-lo desperto. Ok, melhor deixá-lo adormecido mesmo!

400 metros subindo entramos  na Vila Cerimonial de Orongo.

Veja o dia em que um vulcão ativo atrapalhou nossa viagem:

+ Uma história de viagem e futebol

Gostou desse texto?! Salve-o em seu Pinterest!

O vulcão Rano Kau impressiona! Há várias maneiras de chegar até ele e uma das mais bonitas em minha opinião é caminhando pela floresta de eucaliptos

By |2018-03-07T00:58:07+00:0015/08/2014|Categories: Ilha de Páscoa|Tags: , |2 Comentários

2 Comments

  1. Francisco Agostinho 04/02/2018 em 05:31 - Responder

    Que lugar mais bonito, impressionante. Não conhecia. Fazer uma trilha e terminar assim é a cereja no topo do bolo. Vou estar mais atento a este lugar 😉

    • Analuiza Carvalho 04/02/2018 em 11:59 - Responder

      Fique sim Francisco, pois Rapa Nui é um desses lugares interessantes e misteriosos de nosso planeta. Realmente, fazer esta trilha e nos depararmos com Rano Kau foi a melhor ideia que tivemos na ilha. Até hoje eu me lembro da surpresa de me encontrar diante daquele vulcão de tantas lendas! 🙂

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.