O Grande BUDA de NARA

Chegamos a Nara de trem. Ainda era outono, mas já sentíamos o bafejar frio do inverno. Atravessamos o Parque dos Veados e seus belos jardins antes de estarmos diante do templo de Buda, como é conhecido o conjunto Todai-ji. Tínhamos um encontro marcado com o grande Buda de Nara!

+ De trem de Kyoto até Nara

Construído no século VIII, o Todai-ji é formado pelo salão do Buda, esculturas esplêndidas, pagodes, portões magníficos, além de templos menores. Estima-se que hoje ele seja cerca de 30% menor que o complexo original. Foi, como muitos monumentos japoneses, destruído por incêndios e terremotos e reconstruído algumas vezes.

Visite o Parque dos Veados:

O Parque dos Veados em Nara

O Nandai-mon – Grande Portal Sul

Grande Buda

Parque dos Veados

Grande Buda

Os belos jardins do Parque dos Veados

Grande Buda

O Grande Portal Sul

Nós entramos pelo belíssimo Grande Portal Sul, o Nandai-mon, com 19 metros de altura. Ele tem um maravilhoso ar velho, longe de estar cansado, o que o deixa, em minha opinião, ainda mais grandioso e bem de acordo com a antiquíssima cultura nipônica.

Os guardiões do Todai-ji

Grande Buda

Niō – Guardiões de Todai-ji

Grande Buda

Niō – Guardiões de Todai-ji

Ali, no Nandai-mon, estão os guardiões do Todai-ji, ou deuses benevolentes, conhecidos como Niō, duas estátuas gigantes que guardam o templo. Os guardiões que encontrei no Japão sempre me deixavam em estado de absoluto deslumbramento!

Reverenciamos ambos os deuses e seguimos para a entrada para o salão principal do Todai-ji: fascinante!

Conheça outros guardiões:

+ Horyu-ji

A Fachada do Grande Salão

Grande Buda

Em frente ao grande salão

Grande Buda

Todo o esplendor da fachada do grande salão

Grande Buda

Todai-ji com seu belo telhado

Cheia de detalhes inauditos, a fachada do grande salão carrega dois telhados sutilmente curvos nas pontas e um par de inusitados chifres dourados, construído no século XVIII. Força e suavidade compõe a estrutura externa do templo de Buda.

O Todai-ji estava lotado.

Ritual: gratidão e proteção

Grande Buda

Gratidão e Proteção

Grande Buda

Léo aguarda sua vez

Antes de entrarmos no salão principal fizemos o ritual de acender incenso em busca de proteção e gratidão por tudo de bom que a vida nos proporcionou. Pelas ruins também, por todo aprendizado que estes momentos nos trazem.

Muitas pessoas faziam o mesmo e com muito respeito, cada um esperou sua vez.

Nada é cobrado pelo incenso, mas eles esperam uma contribuição.

O Grande Buda

Grande Buda

Grande Buda: 15 metros de altura feito em bronze

Grande Buda

Grande Buda

Entramos.

O salão principal do complexo, ainda que menor que o original, é mesmo assim, o maior edifício de madeira do mundo, sendo o atual do século XVIII. Eu digo: é grandioso!

Diante da imagem do Grande Buda de Nara, que possui extraordinários 15 metros de altura, eu fiquei estarrecida. Levou 3 anos para ser concluída. Ela impressiona, principalmente porque ficamos minúsculos diante dela.

Ela representa o momento em que o ex-príncipe Shakyamuni, sentado em meditação sob uma árvore, alcançou a iluminação, transcendendo o tempo e o espaço e, portanto simboliza a luz da sabedoria e da compaixão infinita.

Foram necessárias toneladas de bronze, mercúrio e cera vegetal para a construção do Buda, no século VII, que está em posição de Lótus (padmásana). Vítima de muitos terremotos e incêndios, sua cabeça data apenas do século XVII.

Seres Iluminados

Grande Buda

Niyorin Kannon Bosatsu

Guardião celestial do Buda: Tamonten

Grande Buda

Guardião celestial do Buda:: Koumokuten

Ladeando o Buda, encontramos dois seres iluminados: Kokuzo Bosatsu (à esquerda) divindade da sabedoria e memória e Niyorin Kannon Bosatsu (à direita), aquele que realiza todos os desejos. Ambos datam do século XVIII.

Além destes seres iluminados, na parte de trás do grande salão, posicionados atrás do Grande Buda, acham-se dois guardiões celestiais: o Tamonten, à direita e Koumokuten, à esquerda.

Flor de Lótus

Grande Buda

Pétalas da Flor Lótus

O Buda está sentado sobre uma flor de Lótus, cuja simbologia está entre as minhas preferidas, pois ela significa pureza espiritual. Esta bela planta floresce sobre a água lodosa, representando a limpidez da alma e a elevação espiritual.

Significa o desapego e que os espíritos evoluídos podem caminhar por qualquer ambiente, por qualquer lugar sem se contaminar pelas impurezas e apegos carnais, simbolizados pelo lodo que cerca a flor.

Espelha o mundo da iluminação e indica que os seres não possuem existência isolada. A maneira como estão divididas as pétalas da Flor de Lótus sobre onde o Buda está sentado representa o pequeno sistema mundial, o mundo habitado por seres humanos e que seria infinito.

Em resumo quer dizer que os espíritos são individuais, mas estão infinitamente interconectados, agindo uns sobre os outros, envolvidos pela luz do Buda.

A Flor de Lótus é comumente associada ao Buda e esta é uma posição de meditação.

As pétalas da Flor de Lótus do Grande Buda em Todai-ji são do século VIII, o período de Nara.

Em um dos pilares do grande salão há um buraco, uma passagem que dizem ser do mesmo tamanho que uma das narinas do Grande Buda. Há quem afirme que aqueles que conseguirem atravessá-la (é mesmo bem apertada) alcançará o Nirvana.

Binzuru

Grande Buda

Binzuru

O Grande Buda é limpo uma vez ao ano. Dizem que uma imagem interessante é ver 4 ou 5 monges, responsáveis pela limpeza, de pé sobre as mãos do Buda.

Do lado de fora do salão principal encontramos o Binzuru, uma grande estátua de madeira, em posição de lótus, o mais popular de todos os quatro Arhats (espécie de mensageiro do budismo, que permaneceu na terra a pedido do próprio Buda).

Reza a lenda que se esfregarmos a parte do Binzuru correspondente a uma parte de nosso corpo que esteja enferma, seremos curados. Ele estava envolto em um manto vermelho com capuz.

Durante o ano novo, tangerinas são ofertadas ao mensageiro.

Contam os tempos que o Binzuru foi enviado por Buda à casa de um homem enfermo, que estava sendo vampirizado por espíritos sem luz. As instruções eram simples: expulse os espíritos e não caia em tentação.

Assim o fez o Binzuru. Entretanto, o dono da casa, curado e cheio de gratidão, ofereceu insistentemente ao seu salvador uma bebida. O mesmo resistiu, mas não querendo ser deselegante, terminou por aceitar. O resultado foi que se embebedou.

Sabendo disso, Buda o baniu de sua companhia. Muito arrependido Binzuru seguiu o Buda por todo o país, ouvindo seus sermões. Diante de tamanha lealdade, ele foi perdoado e permaneceu na terra como curandeiro.

Depois desse contato extraordinário com a cultura japonesa e alguns de seus simbolismos, tomamos o caminho da roça. Era hora de voltarmos para Kyoto.

Horários e valores

Funcionamento: Todos os dias do ano

Horário: abril a setembro (das 7:30 às17:30), outubro ( das 7:30 às 17:00), novembro a fevereiro (das 8:00 às 16:30), março (das 8:00 às 17:00)

Ingresso: 500 ienes

Acesso de trem: 10 minutos a pé da estação Kintetsu Nara e 15 minutos a pé da estação JR Nara, onde chegamos usando nosso J.P. Rail Pass

+ Japan Rail Pass

Curtiu passear comigo pelo Templo de Buda?! Guarde-o então em seu Pinterest! 

O conjunto Todai-ji, na cidade japonesa de Nara, abriga uma estarrecedora estátua de Buda de cerca de 15 metros de altura. Seu salão principal é o maior edifício de madeira do mundo.

By |2018-04-14T09:01:47+00:0028/08/2017|Categories: Nara|Tags: , |9 Comentários

9 Comments

  1. […] + O Grande Buda de Nara […]

  2. Muito interessante observar como esses templos são parecidos e ao mesmo tempo diferentes aqui na Ásia. Uma coisa é fato os templos japoneses são um dos mais interessantes

    • Analuiza Carvalho 04/09/2017 em 11:36 - Responder

      oi Oscar… interessante esta sua observação. Vou ficar atenta a isso quando visitar outros países asiáticos. Os templos japoneses me impressionaram pois quase todos os que visitei são verdadeiros complexos e muito grandiosos, mas de uma maneira muito diferente da observada em países ocidentais. 🙂

  3. Keul Fortes 04/09/2017 em 14:02 - Responder

    Sou fascinada nesses templos. Acho uma arquitetura muito interessante! Obrigada por compartilhar esse passeio conosco.

  4. Ainda não fui ao Japão e este templo é um das imensas razões pelas quais eu quero muito ir. Super interessante conhecer o grande buda.

  5. Michela Borges Nunes 01/10/2017 em 13:01 - Responder

    Que lindo todo o lugar. A arquitetura externa destas construções é o que acho magnífico. Ah, eu lembro que tu adoras os guardiões, hehe. Agora, o que seria o pagode além daquele estilo musical bem brasileiro que conhecemos?

    • Analuiza Carvalho 02/10/2017 em 09:53 - Responder

      oi Michela… Sim, eu gosto muito das representações dos guardiões: significado e forma. rsrsrs

      Os pagodes são estas estruturas sobrepostas, geralmente utilizadas para fins religiosos, por isso sempre estão próximas aos templos. Chegou ao Japão por influência chinesa, que parece ter se inspirado nas estupas indianas. 🙂 bjus

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.