O MUSEU Wallraf Richartz em COLÔNIA

O que fazer na cidade de Colônia na Alemanha?! Com certeza visitar o Wallraf Richartz Museum, com seu acervo que abriga mais ou menos 400 obras distribuídas em três andares ao longo de 30 salas, divididas por eras, sendo que a obra mais antiga data do século XIII. O museu Wallraf Richartz em Colônia é apaixonante!

O tempo que se gasta em um museu naturalmente é pessoal. Nós ficamos no Wallraf Richartz Museum em Colônia cerca de 5 horas e considero um tempo bom para ver com calma as obras dispostas por lá.

Havia movimento, mas muito tímido. Poucas pessoas além de nós circulavam por este incrível museu alemão.

Caminhos em Colônia

Era domingo. Chuviscava na cidade. Ainda assim, nós fomos caminhando até o museu. Colônia é uma cidade ótima para longas pernadas, pois é plana.

Além disso, as atrações mais interessantes da cidade estão mais ou menos próximas facilitando muito o deslocamento entre uma e outra.

Havia pouca gente nas ruas e nós não tínhamos pressa. Era cedo ainda e o museu nem estava aberto quando deixamos o hotel, justamente para podermos aproveitar as primeiras horas da manhã em Colônia.

Sem pressa, apreciando o momento, chegamos ao Wallraf que também estava vazio.

Museu Wallraf Richartz em Colônia

Pelas ruas vazias de Colônia

A história do Museu Wallraf Richartz em Colônia

                                                                          “Eu designo minha cidade natal, a cidade e município de Colônia, como herdeiro de toda a minha propriedade” – Essas palavras do testamento de Franz Ferdinand Wallraf (1759-1824) marcaram o início do Wallraf Richartz Museum & Foundation Corboud.

Museu Wallraf Richartz em Colônia

Museu Wallraf Richartz em Colônia

Assim, tinha início o primeiro museu da Renânia, que, contudo, só teve um prédio apropriado para a exibição da excelente coleção de Wallraf, quase 40 anos após sua morte com a doação do milionário Heinrich Richartz (1795 – 1861).

O Museu Wallraf Richartz foi inaugurado em 1° de Julho de 1861.

Várias obras importantes do museu foram confiscadas pelos nacional socialistas. Colônia foi duramente bombardeada e o prédio do Museu Wallraf Richartz não escapou ileso, mas as obras de arte foram evacuadas a tempo.

Apenas em 2001 foi inaugurado o edifício atual, aquele que visitamos naquela manhã de domingo, verão na Renânia do Norte-Vestfália.

Nós no Museu Wallraf Richartz

Museu Wallraf Richartz em Colônia

Uma senhorinha para chamar de nossa no Museu Wallraf Richartz em Colônia

O prédio do Wallraf é muito bonito. Moderno.

Chegamos à recepção para buscar informações sobre as obras expostas e o valor do ingresso. Uma senhorinha nos atendeu com tanta simpatia que fiquei cerca de 1 hora conversando com ela sobre pintores, quadros e museus.

Posso dizer sem nenhum tipo de dúvida pairando sobre esta afirmação que nosso recorrido pelo Museu Wallraf Richartz de Colônia começou bem aqui, na recepção.

Na saída, encontramos outra senhorinha para chamar de nossa e enquanto eu fotografava o hall de entrada, Leo trocou uma ideia com ela.

Cafeteria e loja

Como passamos quase o dia todo no museu almoçamos por lá mesmo na cafeteria. Comemos sanduiches (5 euros), mas havia pratos também, como massas, saladas e sopas girando em torno de 9 euros.

O café (2 euros) estava gostoso e veio acompanhado por uma bolachinha de canela deliciosa.

O ambiente era agradável e o atendimento foi bom.

Finalizamos nossa visita ao Museu Wallraf Richartz de Colônia fuçando os objetos da loja. Caros como sempre. Atraentes como sempre. Alguns objetos me chamaram a atenção pela criatividade.

A decepção foi não termos encontrado marcadores de livro magnéticos com imagens dos quadros dos acervos. Esta é uma paixãozinha útil minha.

Museu Wallraf Richartz em Colônia

A loja do Museu Wallraf Richartz em Colônia

O acervo

Variado. Atraente. Delicioso e interessante. Ele vai desde os tempos medievais até séculos mais modernos. Encontramos informações em alemão e inglês a respeito das obras e de seu contexto histórico e artístico, enriquecendo muitíssimo a visita.

Nós começamos o passeio em ordem cronológica e, a não ser para quem busca obras específicas, eu recomendo este sentido.

Leo observando o quadro “O Martírio de Santa Úrsula” do século XV

Nos tempos medievais, os artistas de Colônia não costumavam assinar suas obras, pois não se consideravam artistas. Este era um conceito generalizado, pois não havia ainda a definição de arte.

Isso significava na prática daqueles tempos que os quadros pintados, as esculturas, tudo era considerado objeto de culto.

Estar diante de um quadro da virgem, por exemplo, ou de um anjo, era quase como estar diante deles em pessoa. Não raro, estes quadros seguiam pelas ruas em procissão.

Os artistas alemães de Colônia mantinham estreito contato com artistas de outras regiões da Alemanha, além de países como Holanda e Bélgica.

A transição dos Middle Ages para a Modern Era em Colônia aconteceu no momento em que a cidade era barulhenta, com bairros apertados e densamente povoada. Bom, acho que segue mais ou menos assim até os tempos atuais.

Museu Wallraf Richartz em Colônia

O Museu Wallraf Richartz em Colônia

Eu passei a gostar mais de arte sacra depois que assimilei que aqueles quadros eram na verdade o reflexo de uma época em que o Catolicismo dominava boa parte de mundo e dos rumos de países e sociedades.

A religião, política, economia e comportamentos: tudo estava ligado.

Embora na Idade Média os temas religiosos sejam uma constante, assim como em anos posteriores eles continuaram a fazer parte das temáticas de muitos artistas geniais, cada um tinha um olhar e uma interpretação particular para o momento bíblico retratado, além claro de usar técnicas distintas.

Isso é fascinante!

Museu Wallraf Richartz em Colônia

Retábulo representando a Vida de Jó – passagem bíblica: história através de imagens – séc. XVI

Museu Wallraf Richartz em Colônia

Jó sendo tentado pelo Diabo, mas mantendo-se firme – o retábulo em detalhe

Cenas e paisagens

Eu gosto particularmente de cenas e paisagens. Fotografia de uma época que me permite uma viagem intensa através dos tempos, usos e costumes, hábitos e indumentária, formatos e corpos. Texturas e cores.

Extraordinárias viagens eu já fiz através de incríveis imagens.

A tela “Italian landscape com pastores e rebanhos” de Nicolaes Pietersz Berchen, séc. XVII, desperta um misto de muitos sentimentos, pois ela mostra elementos opostos. Uma paisagem infinita, com morros ao fundo, que nos remete ao silêncio e introspecção.

Ao mesmo tempo, observamos a balbúrdia produzida por homens, mulheres e crianças.

É fácil escutar o barulho que fazem.

Eles estão próximos a uma ruína, ocre, que remete a escuridão, medo e ansiedade, como se ela escondesse alguma coisa sinistra, à espreita, enquanto o grupo trabalha e se diverte desavisadamente.

Cena de um casamento por Hans Van Wechelen – sec. XVI

A alta idade média representou a tensão na vida das pessoas. Foi um tempo de mudanças, onde a complicação da vida real se contrapunha a esperança da vida pós-morte acontecer em um lugar melhor.

Os quadros, as cenas nestes tempos representaram isso: a esperança de ir para o paraíso convivendo lado a lado no íntimo da maioria das pessoas com o medo de ir arder eternamente no inferno comandado pelo Diabo.

A arte retrata esse conflito, esse debate interior da época.

Vivendo um mundo paralelo

Museu Wallraf Richartz em Colônia

O Museu Wallraf Richartz em Colônia

À medida que eu fui avançando pelas salas, descobrindo a arte exposta, pintores e temáticas, contexto e mudanças, eu fui entrando em um mundo que já não existe, um mundo paralelo, mas naquelas horas em que perambulava sozinha pelos ambientes do Museu Wallraf Richartz em Colônia, aquele mundo era completamente real para mim.

Entabulei diversas conversas com personagens e artistas.

A disposição dos quadros no Walrraf é espetacular permitindo uma ampla apreciação das obras.

Outra grande vantagem do Wallraf Museum em Colônia é o fato de podermos nos aproximar muito dos quadros, pois a maioria deles não tem aquela marcação que nos mantem afastados das obras, o que nos permite observá-las de diversos ângulos.

Muitos artistas vivem no Museu Wallraf Richartz em Colônia

Museu Wallraf Richartz em Colônia

Os impressionistas no Museu Wallraf Richartz em Colônia

Muitos artistas maravilhosos vivem no Museu Wallraf Richartz em Colônia: Whilhelm Leibl, Paul Hippolyte Delaroche e Franz von Lenbach.

Tem uma sala de Rubens: aí me pega pelo pé e me rodopia de tanto que eu gosto. Há também um Rembrandt, Jan Lieves, Aeert Van Der Neer e artistas locais.

Algumas salas estão divididas por temas: moral e maus hábitos, luxúria e beleza. Há muita e diversificada still life: desde mesas mais fartas às mais modestas. Intocadas e já muito bagunçadas pelos comensais.

Gosto bastante de natureza morta.

Não posso deixar de mencionar que o Wallraf Museum em Colônia abriga também os impressionistas como Camille Pissarro – um de meus preferidos – Renoir e Sisley, além de Max Liebermann.

Conclusão

O Wallraf Museum é um museu esplêndido! O acervo tem quadros incríveis de pintores de anos variados, países distintos e temas múltiplos. Para quem gosta de pinturas e de arte, assim como eu, que entro em um mundo concorrente de puro prazer, a ponto de nem perceber o tempo passar, com certeza o Museu Wallraf Richartz em Colônia é um local a ser visitado, apreciado, vivido!

Informações adicionais

Horários de funcionamento: Terça-feira a domingo, 10 horas às 18:00.

Primeira e terceira quinta-feira do mês, 10:00 – 22:00.

Feriados 10:00 – 18:00.

Sexta-feira Santa, Dia de Maio, Dia de Maio, Dia da Ascensão, Corpus Christi, Sessão de Pentecostes, Dia da Unidade Alemã (3 Out), Dia da Reforma (31 Out), All Hallows (1 de novembro), Boxing Day.

Dia de Colônia no Wallraf às 10:00 – 22:00.

No dia de Colônia, na primeira quinta-feira do mês (exceto nos feriados), a cidade de Colônia convida todos os seus cidadãos a visitarem gratuitamente. Para I.D., o cartão conta como um ingresso, mas o preço normal de admissão será cobrado por exposições especiais.

Fechado às segundas-feiras

Fechado no Carnaval, 11.11., Noite de Natal, Dia de Natal, Véspera de Ano Novo e Dia de Ano Novo

Bilhetes: 13 euros – adultos

18 euros o bilhete casado e 30 euros o bilhete família (2 adultos e 2 crianças)

Bilhete combinado para todos os museus da cidade de Colônia, válido por dois dias consecutivos em que o museu estiver aberto. Bilhete gratuito para transporte público em Colônia no primeiro dia.

Nós optamos pelo bilhete combinado, que usamos no domingo e na terça, uma vez que na segunda os museus estavam fechados. Fizemos uma boa economia, mas confesso que não gostei da experiência, pois tivemos que espremer os museus nesses dois dias e faço a linha “um museu por dia”, pois gosto de ver as obras sem pressa.

Neste domingo, após sairmos do Wallraf visitamos o Museu Ludwig.

Museu Wallraf Richartz em Colônia

O maravilhoso Museu Wallraf Richartz em Colônia

Quer conhecer um Mercado de Pulgas em Colônia?! Então clica no link bem aqui abaixo!

Cais da Ilha de Genebra

+ Mercado de Pulgas em Colônia

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo Mundo nas redes sociais: FacebookInstagramTwitter e Google+

O museu Wallraf Richartz em #Colônia tem um maravilhoso acervo que mescla obras de diversos artistas de variados séculos. #Alemanha #Europa #viajantesempressa #viajar #pelomundo

 

Clicando na imagem ao lado o museu Wallraf Richartz em Colônia ficará guardado em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

 

 

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer o  museu Wallraf Richartz em Colônia , compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam e se deliciem também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

By |2018-03-07T01:05:09+00:0010/01/2018|Categories: Alemanha, Colônia, Europa|Tags: |0 Comentários

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.