O Museu ROMANO da pequena cidade suíça de NYON

A pequena e encantada cidade de Nyon na Suíça tem origens romanas. Ela é antiquíssima, portanto. Quando os romanos por aqui passaram, construíram uma igreja, um anfiteatro e claro, os tradicionais banhos. O Museu Romano de Nyon (Musée Romain) nos conta esta história.

Eu o visitei em um domingo de primavera e além de mim, outros poucos visitantes perambulavam pelo passado romano da cidade o que me permitiu olhar, observar e aprender com calma. Objetos de aspectos gerais testemunhas da rotina dos antigos habitantes de Nyon. Um passeio delicioso!

O passado de Nyon e o museu

Quando Nyon foi fundada pelos romanos no ano de 46 a. C., sob comando do Imperador Júlio César, recebeu o estranho nome de Colônia Júlia Equestre. Era uma das cidades mais importantes da região que hoje conhecemos como Suíça.

Acredita-se que Nyon poderia ser a unidade da cavalaria de veteranos de Roma, com o intuito de controlar os helvéticos que habitavam esta área.

Durante construções de nossos tempos foram descobertos alguns restos mortais desse pretérito e assim, onde estava localizada a igreja naqueles tão antigos anos encontramos o ótimo Museu Romano de Nyon, inaugurado em 1979.

Estima-se que a Basílica Romana tenha sido construída entre os anos de 50 e 80 d. C., para desempenhar as funções administrativas, judiciais e de organização municipal.

O acervo do Museu Romano de Nyon

Museu Romano de Nyon na Suíça

O Museu Romano de Nyon na Suíça

O Museu Romano de Nyon é pequeno, mas possui um acervo incrível, distribuído onde antigamente situava-se a nave central e o deambulatório da igreja. Não é absolutamente fascinante, tantos séculos depois, passear por aquele lugar?!

O conjunto de artefatos está dividido entre esculturas, religião e artesanato, comércio. Próximos a todos os objetos há cartazes explicativos, mas apenas em francês. Mesmo não falando absolutamente nada do idioma, deu para entender quase todas as informações ali dispostas.

Contudo, sendo Nyon uma cidade turística, suponho que a comunicação devesse estar também em inglês.

O cotidiano do Império Romano

No Museu Romano eu encontrei as mais diversas peças relatando sobre o modo de vida dos antigos romanos. Há uma maquete sobre como era a basílica, local onde eu estava naquele momento. No museu descobri que o vinho foi introduzido por ali pelos romanos.

Aprendi também que os bebês falecidos na Roma antiga eram proibidos de serem cremados se ainda não tinham dentes.  Eram então colocados em tumbas.

Os romanos, assim como os gregos eram politeístas e quando Julia Equestre foi fundada os deuses romanos se misturaram aos deuses helvéticos, assim divindades e suas funções foram mescladas, como aconteceu em vários países do mundo, entre conquistadores e conquistados.

O templo de Nyon era dedicado à Mercúrio (Hermes para os gregos) deus e mensageiro da venda, lucro e comércio.

Outra forte influência romana na região helvética, incluindo Nyon, foi no vestuário: símbolo de status, riqueza e do papel do individuo na sociedade, as roupas usadas diziam muito. As mulheres ricas usavam joias e perfumes. Os homens, especialmente os mais velhos, se cuidavam bastante, usando frequentemente os banhos públicos, local não só de higiene e cuidados corporais, como também de socialização.

Aquela era uma sociedade estratificada e sofisticada que detinha conhecimentos técnicos avançados que ajudaram a fortalecer e expandir o Império Romano.

A simpatia suíça

Creio ter ficado mais ou menos 1 hora nesta viagem ao passado romano.

Logo quando eu cheguei a recepcionista me contou um pouco sobre as origens de Nyon, sobre o museu e me disse muito simpaticamente que já que as informações estavam em francês que eu podia perguntar-lhe qualquer coisa.

Eu perguntei, abusei e passamos uns bons instantes jogando conversa fora. O povo suíço é assim mesmo, gentil e simpático.

Informações adicionais

Museu Romano de Nyon na Suíça

A arte antiga de Roma

Endereço: Rue Maupertuis 9

Horários de funcionamento: inverno (novembro a março) terça a domingo das 14:00 às 17:00; verão (abril a outubro) terça a domingo das 10:00 às 17:00.

Fechado as segundas, exceto em feriados públicos.

Valor dos Bilhetes: entrada gratuita a cada primeiro domingo do mês. Adultos 8 francos suíços, sendo 6 francos para grupos acima de 10 pessoas. Idosos, estudantes e desempregados pagam CHF6. Crianças menores que 16 anos não pagam.

A entrada no Museu Romano também dá direito a visitar o Museu de História local no Château de Nyon e o Museu do Lago de Genebra.

Validade de 12 meses

Quer conhecer um pouco mais sobre Nyon na Suíça?! Então clica no link bem aqui abaixo!Cais da Ilha de Genebra

+ A bela Nyon na Suíça

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Google+

O #Museu Romano em #Nyon é um ótimo lugar para conhecermos o interessante passado desta linda cidade na #Suica. #espiandopelomundo #viajantesempressa #europa #viajante #viagem                O #Museu Romano em #Nyon é um ótimo lugar para conhecermos o interessante passado desta linda cidade na #Suica. #espiandopelomundo #viajantesempressa #europa #viajante #viagem

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de GenebraO Museu Romano em Nyon na Suíça  ficará guardado em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

O Museu Romano em Nyon na Suíça

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer um pouco do Museu Romano em Nyon na Suíça, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

 

By |2018-08-06T07:05:44+00:0015/03/2018|Categories: Europa, Nyon, Suíça|Tags: |2 Comentários

2 Comments

  1. Juliana Moreti 05/08/2018 em 14:03 - Responder

    Que interessante….. Sobrou o que da igreja? E’ possìvel ver as fundações ou algumas paredes? Acho muito interessante este tipo de sitio arqueológico e não sabia que eles não cremavam crianças mortas se essas não tinham dente!

    • Analuiza Carvalho 06/08/2018 em 07:13 - Responder

      oi Ju… não, da igreja somente o espaço onde está montado o museu e peças avulsas. Através deste artefatos, palavras e maquetes é que entendemos a vida naqueles tempos. bjinhos

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.