O museu LUDWIG em COLÔNIA na Alemanha

O Museu Ludwig em Colônia na Alemanha é um dos importantes e interessantes museus da cidade. Especializado em obras de arte criadas após os anos 1900, o museu nos leva a um passeio que vai do movimento impressionista ao contemporâneo.

Leo e eu saímos do Museu Wallraf Richartz diretamente para o Museu Ludwig. Como adquirimos bilhetes combinados comprados no Wallraf, aproveitamos para vermos Picasso naquele fim de tarde quente do verão alemão.

Ver os quadros do artista espanhol com seus variados e quase sempre impactantes estilos era nosso único objetivo nesta visita ao Ludwig, mas tivemos muitos outros encontros maravilhosos.

Pablo Picasso para mim é desafiador!

A história

O Museu Ludwig foi fundado em 1976, após a doação de 350 obras de arte moderna pelo casal Ludwig – Peter e Irene – à cidade de Colônia. Ao longo dos anos seguintes inúmeras outras obras se juntaram ao acervo do Ludwig, respeitando a premissa de arte pós século XX.

Museu Ludwig

O foyer do Museu Ludwig

Assim encontramos vivendo no Museu Ludwig expressionistas como Erich Heckel e August Macke, modernistas clássicos como Marc Chagall, vanguardistas russos como Rodchenko.

Pablo Picasso, Henri Matisse, Oskar Kokoschka e Paul Klee, além de Max Ernst…

Acredite meu caro viajante apreciador das artes, a lista é vasta e a diversão é garantida no Museu Ludwig.

Museu Ludwig

Erich Heckel: Canal em Berlim, 1912. Gosto especialmente deste quadro

O Edifício

O prédio que visitamos na Bischofsgartenstraße foi inaugurado dez anos depois, em 1986. Seus vizinhos são a Catedral de Colônia, o Rio Reno e a estação ferroviária; vizinhança bem a cara desta cidade de cenários tão bagunçados, como um conjunto desconexo, e feio quase sempre, de puxadinhos.

Museu Ludwig em Colônia

Vista de alguns edifícios de Colônia desde o Museu Ludwig – a Catedral ao fundo

Museu Ludwig

Observando a vista de uma das salas do Museu Ludwig em Colônia – a Ponte Hohenzollern ao fundo

Museu Ludwig

Uma das salas do Museu Ludwig em Colônia

O edifício, contudo, que abriga o Museu Ludwig é maravilhoso. Moderno e amplo, com diversas salas, facilita a movimentação dos visitantes que tem acesso ótimo às obras de arte.

Há uma pequena área externa, como uma sacada, que permite que avistemos alguns edifícios da cidade de Colônia como um pedaço de sua Catedral e do Museu Romano-Germânico. Ficamos um tempo ali, observando sua paisagem confusa e o vai e vem de pessoas, respirando, absorvendo e internalizando toda arte vista até então. Ventava muito neste dia.

Há ainda salas com paredes de vidro que nos propiciam ver Colônia de novos ângulos e assim acessamos outros de seus personagens como a famosa Ponte Hohenzollern.

Uma viagem brusca entre séculos distintos

Sair do Wallraf e entrar no Ludwig foi como uma viagem brusca no tempo. A proposta mais modernista do segundo me levou a outro patamar de apreciação. Confesso que tenho menos intimidade, mas mais curiosidade sobre as obras posteriores ao século XX.

Assim, começamos nossa movimentação pelo museu por Picasso, nosso objeto primeiro de interesse, com seu cubismo, movimento que em resumo é a fragmentação de uma imagem em inúmeros pedaços, remontando-a de maneira a formar novas e intrigantes figuras.

Museu Ludwig

Leo com Pablo Picasso

Nos primeiros anos do cubismo as imagens eram em uma única dimensão (analytical cubismo) para nos anos seguintes virarem tridimensionais (synthetic cubismo).

O cubismo formatou o estilo individual de Picasso.

O Museu Ludwig abriga a terceira maior coleção de Picasso do mundo.

Outros encontros modernos – Max Ernst

Depois de nosso encontro com Picasso, ainda tínhamos um tempo antes de o museu fechar, então saímos percorrendo as diversas salas e seus movimentos como o surrealismo de Max Ernst, filho de Colônia.

Seu “Reunião de Amigos” ganhou facilmente minha atenção e coração por colocar personagens reais de eras distintas em uma mesma cena. Ah, o poder do pincel aliado à imaginação fértil do artista!

O próprio Ernst faz parte da reunião, vestindo um terno verde. Imaginem só, meus caríssimos viajantes, que ele está sentado no colo do escritor russo Dostoiévski (1821 – 1881). Mais atrás deles está o pintor renascentista, Rafael (1483 – 1520).

Sensacional!

Museu Ludwig

Reunião de Amigos de Max Ernst no Museu Ludwig

Novos e maravilhosos encontros pelo Museu Ludwig

Fomos indo, indo, perambulando pelo dadaísmo, movimento de protesto do século XX com objetivo de chocar e romper com o estilo burguês e estúpido vigente à época, segundo, claro, o ponto de vista dos dadaístas.

O expressionismo avant-garde russo, com nomes como Marc Chagall e Iwan Puni. Os representantes desse movimento mantiveram forte intercâmbio cultural com artistas franceses e alemães produzindo arte com elementos característicos de seu país, a Rússia, com relevante influência externa.

Infelizmente, nosso tempo no Museu Ludwig foi curto e não conseguimos ver, por exemplo, a pop art americana de Andy Warhol.

Durante meus últimos anos escolares eu estudei alguns desses movimentos modernistas. Encenamos até a Semana de Arte Moderna mais de uma vez: utilizamos diversas expressões artísticas para representar estes movimentos, mas confesso que à época, iniciando ainda minha formação cultural, eu não tinha ideia e nem noção da força e da criatividade destes artistas que criaram obras maravilhosas!

Saímos do Museu Ludwig em Colônia e fomos caminhar pelas margens do Rio Reno. Era verão e as ruas estavam muito movimentadas.

Os bilhetes casados

Nós comprarmos os bilhetes casados que nos davam direito a visitar todos os museus de Colônia em dois dias uteis  seguidos (dias em que os museus estivessem abertos) por 13 euros. Fizemos uma economia imensa.

Entretanto, contudo, eu sou o tipo de pessoa que gosta de passar muitas horas num museu, com o nariz enfiado nas diversas obras de arte.

Por isso mesmo gosto de visitar apenas um museu por dia, pois dependendo do acervo, não é incomum que eu passe o dia inteiro nele.

Assim, a experiência de visitar dois museus tão intensos em um mesmo dia, não me agradou e não me fez feliz.

Para aqueles que não passam tantas horas num museu e facilmente combinam mais de um em um mesmo dia, os bilhetes casados são uma excelente opção.

Museu Ludwig em Colônia

Me despedindo do Museu Ludwig contrariada pelo pouco tempo que passei ali

Informações adicionais

Há informações sobre os movimentos expostos no Museu Ludwig tanto em alemão quanto em inglês, mas os dados referente aos quadros estão apenas em alemão.

Horários de funcionamento: de terça a domingo e feriados: 10:00 – 18:00. Todas as primeiras quintas-feiras do mês: 10:00 – 22:00. Fechados às segundas-feiras.

Bilhetes: 

Adultos: € 13,00

Bilhetes combinados: € 18,00

Família: € 26.00

Grupos: 9.00 € por pessoa (mínimo de 20 pessoas)

Crianças e jovens menores de 18 anos: entrada gratuita para a coleção permanente

Crianças menores de 6 anos: de admissão grátis na coleção permanente + exposições especiais.

Áudio-guia: 3 euros

Endereço: Bischofsgartenstraße na Heinrich-Böll-Platz

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo Mundo nas redes sociais: FacebookInstagramTwitter e Google+

O #Museu Ludwig em #Colônia na #Alemanha tem um excelente acervo de obras criadas pós anos 1900 de importantes nomes da arte mundial como Pablo Picasso. #museuludwig #viagem #viajantesempressa #espiandopelomundo #arte

Clicando na imagem ao lado o Museu Ludwig em Colônia ficará guardado em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

 

 

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer o  Museu Ludwig em Colônia , compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam e se deliciem também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

By |2018-03-07T01:05:06+00:0014/01/2018|Categories: Alemanha, Colônia, Europa|Tags: |12 Comentários

12 Comments

  1. Klecia 19/01/2018 em 08:06 - Responder

    Primeiro, achei Colonia mesmo muito estranha, com um museu tao moderno lado a lado com aquela enorme catedral gótica ao fundo. Quanto contraste!
    Segundo, Picasso é puro amor e eu também iria ao museu só por ele! Adorei a Reunião de Amigos de Max Ernst, não conhecia e me lembrou as nossas mais modernas caricaturas, com seu pincel informal e quase jocoso. Por último, que pena que perdeste a Pop Art! Sou fã do movimento, adoro as cores!

    • Analuiza Carvalho 19/01/2018 em 08:17 - Responder

      Klécia, querida… Colônia é bem isso: estranha. Um contraste intenso, feio, onde um personagem arquitetônico briga constantemente com outro. É uma cidade sem sentido estético. Contudo, possui preciosidades como o Museu Ludwig, moderno e interessante. Seu acervo é magnífico! Picasso, bom, dispensa apresentações não. Eu também não conhecia a Reunião e de fato lembra nossas caricaturas; moderno e imaginativo – facilmente me ganhou né?!

      Pois é foi com dor no coração que perdi a Pop Art… fomos gentilmente convidados a sair, pois o museu já estava fechando. Uma pena. Vou esperar sua visita a Colônia para me dar informações desta parte do acervo. 🙂 bjuuusssss

  2. Juliana Moreti 23/01/2018 em 21:32 - Responder

    Meu conhecimento de arte pòs 900 é quase nula e esse museu seria quase como uma aula de arte. O que me deixou bem intrigada é ver um museu de arte moderna em Colonia.

    • Analuiza Carvalho 23/01/2018 em 21:37 - Responder

      Oi Ju… o meu conhecimento também é esparsado e por isso gostei tanto de alguns encontros com antigos conhecidos e novos artistas nesse mundo mais modernos das artes. Aprendi e apreciei bastante! 🙂 Colônia é assim mesmo: intriga e confunde a gente. E deixa a gente curioso e interessado! rsrs bjus

  3. Márcio Vital 24/01/2018 em 07:16 - Responder

    Que museu maravilhoso! Adorei a dica. Sem dúvida uma atração imperdível em Colônia

    • Analuiza Carvalho 24/01/2018 em 15:56 - Responder

      oi Marcio… para quem gosta ou tem curiosidade sobre o mundo das artes, sem dúvida o Museu Ludwig é um museu maravilhoso a ser visitado em Colônia na Alemanha. 🙂

  4. Cristina 25/01/2018 em 20:46 - Responder

    Que bacana! Estive em Colônia, mas não tive tempo de visitar esse museu. Quanta coisa aprendi neste post! Sem dúvida uma atração para colocar no roteiro. Parabéns pelo post!

    • Analuiza Carvalho 25/01/2018 em 20:58 - Responder

      oi Cristina… sempre temos que fazer duras escolhas quando visitamos uma cidade né?! Quanta coisa fica de fora. Contudo, recomendo fortemente uma visita ao Ludwig para quem gosta de arte pós 1900! 🙂

  5. Angelica Figueiredo 26/01/2018 em 15:10 - Responder

    A Alemanha está na nossa lista de desejos, e com força! Adoramos visitar museus, adorei seu post! Vou aproveitar para ler outros posts! Parabéns!

    • Analuiza Carvalho 26/01/2018 em 17:06 - Responder

      oi Angelica… Alemanha é sempre uma boa ideia! Eu já estive no país 2X: a primeira visitei Nuremberg e na segunda estive na Renânia, começando por Colônia. Espero que os textos do Espiando pelo Mundo te ajudem.

      O Ludwig é excelente! Se gosta de arte e museus, o visite sim! bjus

  6. Gisele Prosdocimi 28/01/2018 em 22:31 - Responder

    Que máximo conhecer Colônia e poder apreciar tantas obras de arte de pintores famosos. Picasso não é o meu predileto, mas suas obras também me intrigam.
    Já o casal Ludwig, eu aprecio muito por terem doado inúmeras obras à vários museus espalhados pelo Mundo, inclusive visitei uma exposição de obras que pertenceram à eles no Centro Cultural do Banco do Brasil, em Belo Horizonte e adorei.
    Pude ver uma tela de Andy Wharol e Jean Michel-Basquiat valiosíssima, e obras de Picasso também. Sou a louca dos museus, amo de paixão. Parabéns, bela visita, espero incluí-la em uma viagem à Colônia. Beijos.

    • Analuiza Carvalho 28/01/2018 em 22:45 - Responder

      oi Gisele! Eu também adoro museus! Fico deliciosamente perdida em meio àquelas telas e imagens! O Museu Ludwig foi uma deliciosa surpresa. Não esperava gostar tanto! Se um dia visitar Colônia, já que gosta de arte, entre nele! 🙂

      Eu gosto muito do espaço do CCBB – meses atrás estive no de BH e vi uma exposição maravilhosa. Emocionante! Essa que você viu com Andy Wharol e Jean Michel-Basquiat do acervo do casal deve ter sido ótima! 🙂 bjus

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.