Lucíola

Ler José de Alencar é voltar o olhar para nesgas de nós mesmos, de nossa cultura. Fazemos parte dessa sociedade, somos frutos dela, parte dela, ou talvez ainda sejamos ela. Fica o questionamento: mudamos desde que o autor escreveu Lucíola?

Alencar conta a história de Paulo, de Lucíola e claro do Rio de Janeiro, que é personagem importante com toda a dinâmica da época, os maneirismos e cultura.

A história

Estamos de volta ao Rio de Janeiro do século XIX e presenciamos sua sociedade cheia de normas e regras rígidas e o nascimento de um amor, eterno, que foi obrigado a se transformar por conta desta sociedade, de seus próprios personagens e do destino.

Paulo conhece Lucíola assim que chega ao Rio de Janeiro vindo de Recife. Logo se encanta por aquela moça linda e com certo ar de mistério.

No mesmo dia descobre, através de seu amigo, como a jovem sobrevive. Isso não é suficiente para afastá-lo dela, mas é determinante para a história dos dois.

História esta que vai se desenrolando com intensidade de sentimentos, atitudes e dramas.

Em meio a tudo isso os personagens principais vão se desvendando, se conhecendo e tantos sentimentos vão se transformando ainda que sempre sob a supervisão de muitos preconceitos, típicos da sociedade fluminense da época, que impedia que os dois vivessem este amor.

O Autor

Lucíola

José de Alencar

José de Alencar nasceu no Ceará em 1 de Maio de 1829 e faleceu no Rio de Janeiro em 12 de Dezembro de 1877.  Foi advogado, jornalista, político, cronista e romancista. Publicou Lucíola em 1862.

By |2018-03-07T00:58:19+00:0009/08/2012|Categories: O Mundo nos Livros|Tags: , , |2 Comentários

2 Comments

  1. Klécia Cassemiro 08/07/2017 em 08:52 - Responder

    Ana, um dos primeiros livros da minha vida, um dos primeiros autores da minha vida! Lembro de achar Alencar nas prateleiras da minha mãe, e devorar todos os vários livros dele. Luciola povoou meu imaginário adolescente, e hoje penso que juntava pedaços de duas cidades que hoje tem tanto impacto na minha vida, Recife e Rio.
    Lembro que delicia foi vir morar no Rio e começar a descobrir detalhes dos livros pelas ruas! Que gostoso essas memórias que me acordam e me transportam de volta para essa época brasileira tão romântica.
    Por vezes, quantas vezes, desejei ser uma das mulheres de Machado ou de Alencar. 🙂

    • Analuiza Carvalho 22/07/2017 em 18:37 - Responder

      Você Klécia, se encantou pelos clássicos brasileiros antes de mim. Demorei! Com exceção de Jorge Amado só comecei a entender Alencar e Machado, adulta. Então pude perceber sua conotação histórico-cultural! E me encantei pelo universo dos dois.

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.