Lavagem do BONFIM em SALVADOR – tradições BAIANAS

A Lavagem do Bonfim acontece todos os anos na segunda quinta-feira do mês de Janeiro. A festa tem origem lá no século XVIII. Um ritual que mistura o sagrado e o profano e celebra o sincretismo religioso tão típico de Salvador, capital da Bahia.

Baianas com suas saias engomadas e águas de cheiro

Lavagem do Bonfim

Baianas com suas saias engomadas e suas águas de cheiro e o cortejo que arrasta uma multidão

A Lavagem do Bonfim é comandada por baianas vestidas de branco, com suas imensas saias engomadas, turbantes, braceletes e colares, carregando jarros com flores e águas de cheiro (mistura de água, flores e folhas) na cabeça ou nos braços.

Elas saem em cortejo, reverenciando Oxalá, entidade do Candomblé, deus Yoruba, até a Igreja do Bonfim, templo católico, arrastando milhares de pessoas. Ao chegar ao Bonfim, as baianas lavam, simbolicamente, as escadarias da Igreja do Bonfim e depositam flores nos degraus, enquanto todos entoam o lindo e emocionante hino do Senhor do Bonfim.

A Igreja do Bonfim, por Lulu Freitas do Lets Fly Away.

Lavagem do Bonfim: a história que atravessou os tempos

Lavagem do Bonfim

Imagem do Cristo Crucificado

Essa história começou muitos e muitos anos atrás.

Por conta de uma promessa, um capitão da marinha portuguesa trouxe para Salvador, então capital do Brasil, uma imagem do Cristo Crucificado, que ficou abrigada na Igreja da Penha (construída em 1742).

Quando a Igreja do Bonfim ficou pronta, a imagem foi transferida, em procissão, tradição que se mantém até os dias atuais, no segundo domingo após o Dia de Reis no mês de Janeiro: a festa do Bonfim.

Já o rito da Lavagem do Bonfim começou quando os escravos foram obrigados a lavar a igreja, preparando-a para a festa do Senhor do Bonfim, numa quinta-feira de tempos muito antigos. Os negros então aproveitaram a oportunidade para render homenagens a Oxalá e por isso a cor branca utilizada neste dia.

Por esta razão a Lavagem do Bonfim acontece toda segunda quinta-feira de Janeiro.

Oxalá tem origem árabe e significa: Deus queira, tomara… É uma expressão que usávamos em Salvador com certa frequência, mas me parece que caiu em desuso.

A Igreja da Conceição da Praia: o início do cortejo

Lavagem do Bonfim

Na concentração da Lavagem do Bonfim toda de preto ao contrário do que pede a tradição

O cortejo tem início em frente à outra igreja soteropolitana: a lindíssima Conceição da Praia, padroeira da Bahia, situada ao lado do Elevador Lacerda. Não é incomum o padre abençoar as baianas e os devotos, em um culto ecumênico, nas escadarias da igreja, antes da festa começar, com representantes de diversas religiões.

Às 10 horas, o cortejo inicia a caminhada até a Igreja do Bonfim, num percurso de mais ou menos 6,5 quilômetros.

Em tempo: São Francisco Xavier é o padroeiro de Salvador.

Não tão antigamente assim

Quando eu era jovem, a festa permitia os trios elétricos com bloco e tudo. Pulei muito atrás do trio na Lavagem do Bonfim, até que eles foram proibidos e hoje o que encontramos são as bandinhas, especialmente as de afoxé, como os filhos de Gandhy, que tem um som tão deliciosamente característico dessa terra.

Há festas fechadas também.

Nunca segui o cortejo do início ao fim, mas muitas vezes fui abençoada pela água de cheiro das baianas que passavam por mim. Contudo, parte de minha família enfrenta o calor terrível que faz na cidade em Janeiro e acompanha todo ano a procissão, incluindo aí, as novas gerações.

Antes de o cortejo das baianas sair, acontece a Corrida Sagrada, que abre a festa e já é uma tradição soteropolitana. Eu já corri algumas vezes, mas Léo, que apesar de ser santista, é o mais baiano dos baianos que eu conheço, corre todo ano. É um ritual de início de ano para ele.

Lavagem do Bonfim

Na concentração da Corrida Sagrada

A corrida faz o mesmo percurso do cortejo e ambos passam por muitos símbolos da cidade como o Mercado Modelo, a Avenida Jequitaia e o Mercado do Ouro. Nas ruas, milhares de pessoas.

A corrida, assim como a caminhada, é dura, mas chegar à colina sagrada é uma emoção que não se explica.

Quem tem fé vai mesmo a pé

Lavagem do Bonfim

A multidão na porta da Igreja do Bonfim

É! Como diz o ditado: quem tem fé vai a pé. Ou corre. Ou vai de muleta. Pode ser de saveiro também. O que importa é pedir proteção para o novo ano que se inicia. Para Nosso Senhor do Bonfim e Oxalá também. Então vale amarrar uma fitinha nas grades da Igreja e/ou tomar um banho de folha.

A Lavagem do Bonfim é coisa nossa, onde o sagrado de varias crenças e o profano se misturam e se respeitam, onde todos os sons são ouvidos, onde os povos caminham juntos. Uma bagunça de respeito e de alegria.

Raízes que nos identificam. Tradições da Bahia.

A festa dura até o outro dia.

Hino do Senhor do Bonfim:

Glória a ti neste dia de glória
Glória a ti, redentor, que há cem anos
Nossos pais conduziste à vitória
Pelos mares e campos baianos

Desta sagrada colina
Mansão da misericórdia
Dai-nos a graça divina
Da justiça e da concórdia

Glória a ti nessa altura sagrada
És o eterno farol, és o guia
És, senhor, sentinela avançada
És a guarda imortal da Bahia

Desta sagrada colina
Mansão da misericórdia
Dai-nos a graça divina
Da justiça e da concórdia

Aos teus pés que nos deste o direito
Aos teus pés que nos deste a verdade
Canta e exulta num férvido preito
A alma em festa da tua cidade

Desta sagrada colina
Mansão da misericórdia
Dai-nos a graça divina
Da justiça e da concórdia

Salve meu Pai Oxalá:

Salve meu Pai Oxalá.

Senhor do branco, pai da luz.

Senhor absoluto do universo, toda criação te saúda: êpa babá.
Pai da misericórdia.

Dai-me, Oxalá, meu Senhor, faz minha casa feliz e dai-me as bênçãos da prosperidade.

Obrigado meu Deus, meu Senhor, meu Pai.

A Rota da Lavagem do Bonfim: quem tem fé, vai à pé

Eu já estive na Lavagem do Bonfim em horários variados, em tempos diversos. Nunca presenciei nenhum tipo de violência, mas ela existe, é real. Então todo cuidado é pouco.

Gostou de conhecer a Lavagem do Bonfim?! Então salve em suas redes sociais para que os amigos possam ler e apreciar também. 

Este texto faz parte do Projeto Vivendo Salvador

Outra festa muito tradicional em Salvador é o carnaval, uma festa imensa. Eu acho que todo mundo deveria experimentar pelo menos uma vez na vida pular atrás do trio. Quem já faz isso há 16 anos é a Adriana que escreve para o blog Atravessar Fronteiras. Ela conta sobre essas experiências no 16 anos no carnaval de Salvador.

Vem espiar este mundão lindo comigo:

Siga o Espiando pelo Mundo nas redes sociais: FacebookInstagramTwitter e Google+

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil no Pinterest

Clicando na imagem abaixo a Lavagem do Bonfim ficará guardada em seu perfil no  Pinterest! 🙂 

A Lavagem do Bonfim que acontece em #Salvador na #Bahia é uma das mais importantes festas soteropolitanas onde o sagrado e o profano se misturam e se entrelaçam. #viagem #viajante #pelomundo #tradições #vivendosalvador

2 Comments

  1. Marcia Picorallo 30/11/2017 em 14:49 - Responder

    Ai, que legal achar este post! Estava buscando informações sobre esta festa, pois não sabia a origem. Obrigada por compartilhar!

    • Analuiza Carvalho 05/12/2017 em 11:11 - Responder

      oi Marcia… que bom que pude contribuir um pouquinho com informações sobre as tradições baianas! 🙂 bjus

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.