O Largo do PATRIARCA em Moscou – o DIABO visita a capital da RÚSSIA

Depois que visitamos o mundo de Nikolai Gogol em uma tarde tão memorável quando surreal, seguimos em busca de outro escritor russo: Mikhail Bulgákov. Na verdade, queríamos conhecer o Largo do Patriarca em Moscou, local aonde o Diabo chegou quando resolveu visitar a capital da Rússia.

O Mestre e a Margarida

Era um dia quente no por do sol primaveril de uma tarde de quarta-feira quando Satanás e seu séquito decidiram visitar a Moscou comunista da década de 1930.

Imaginem a treta!

A passagem do Diabo por Moscou, que durou até a madrugada do domingo, está descrita no livro O Mestre e a Margarida do autor Mikhail Bulgákov, considerado uma obra prima do século XX.

O Patriárchi Prudý  – por do sol e belíssimo cenário

Pois bem, queríamos muito ver o cenário onde é iniciada a narrativa do livro e para lá seguimos depois de nosso encontro com Gogol.

Largo do Patriarca em Moscou

Belo cenário no Largo do Patriarca em Moscou

Quero dizer duas coisas antes de chegarmos ao Largo do Patriarca.

A primeira é que é muito agradável caminhar pelas ruas de Moscou, especialmente no fim de tarde.

A segunda é que mesmo para quem não leu o livro,  a visita ao Patriárchi Prudý (Largo do Patriarca – Mayakovskaya Metro) é atraente e agradável porque o lugar é muito bonito.

Nós, o Diabo e o Largo do Patriarca em Moscou

Chegamos, assim como o Diabo, ao Largo do Patriarca em um fim de tarde, com as luzes da cidade lindamente mudando a coloração da paisagem. Contudo, diferente do Satanás que chegou por lá durante a estação das flores, nós pegamos o fim do verão moscovita. Não obstante, a cidade esteve fria todos os dias.

Na primeira cena do livro, o Patriárchi Prudý está completamente deserto, salvo por duas figuras que caminham por ali, enquanto conversam: Mikhail Aleksándrovitch Berlioz, editor de uma revista de arte e presidente de uma importante associação literária de Moscou, com seu costume cinza de verão.

Seu acompanhante era o poeta Ivan Nikoláievitch Ponyriov, com seu boné xadrez e camisa de cowboy.

Nós, ao contrário dos personagens de O Mestre e a Margarida, encontramos o Largo do Patriarca cheio: pessoas passeando, crianças brincando, amigos largados no gramado enquanto conversavam e um lindo entardecer.

A energia era vibrante e o cenário muito bonito.

Um passeio pelo Largo do Patriarca em Moscou: será que o Diabo estava à espreita?!

Largo do Patriarca em Moscou

O Largo do Patriarca em Moscou – será que o Diabo está a espreitar?!

Largo do Patriarca em Moscou

Passeio pelo Largo do Patriarca em Moscou

Léo e eu caminhamos em volta do lago, em meio às belas árvores que compunham a paisagem, observando as pessoas, as cores daquele dia de verão que começava a se despedir.

Fomos personagens e observadores. Fiquei imaginando se o Diabo estava à espreita naquela tarde ou se ele tinha desistido de visitar a Rússia, depois daqueles curtos dias passados por ali, durante o período soviético em que aprontou muito, e andava por outras paragens.

Com tantas guerras pelo mundo, quem sabe né?!

Mikhail Bulgákov morou com sua terceira esposa Yelena Chilóvskaia – inspiração para Margarida, por quem Satanás se apaixona – ali perto. Eles ocupavam apenas um quarto, em um edifício que hoje abriga a Casa Museu Bulgákov, local para onde nos dirigimos em seguida.

Quer conhecer outro lugar por onde o Diabo passou em Moscou?! Então clica no link bem aqui abaixo!

Cais da Ilha de Genebra

+ O Jardim de Alexandre

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. Siga o Espiando pelo Mundo no FacebookInstagramTwitter e Google+

Para um lindo entardecer em #Moscou sugiro visitar o Largo do Patriarca, um lugar muito bonito. Só aviso: o Diabo pode estar à espreita por lá! #Rússia #viajantesempressa #viajar

 

Clicando na imagem ao lado essa o Largo do Patriarca em Moscou ficará guardado em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

 

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer o Largo do Patriarca em Moscou, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam e se deliciem também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

By |2018-03-07T00:57:58+00:0018/11/2014|Categories: Moscou|Tags: , |16 Comentários

16 Comments

  1. Mariana Bueno 02/01/2018 em 10:07 - Responder

    Taí um país que ainda quero muito conhecer. Adorei a dica do lago, realmente lindo, apesar da história “macabra” rsrs. Gosto muito de lugares assim pra curtir um pouco a natureza, descansar dos passeios e apreciar a vista.

    • Analuiza Carvalho 05/01/2018 em 09:19 - Responder

      Principalmente num fim de tarde né, Mari, observar o movimento e absorver tudo o que vimos durante o dia… Eu também adoro e o Largo do Patriarca é um lugar ótimo para encerrarmos o dia em Moscou! 🙂 bjs

  2. Aline Rodrigues 02/01/2018 em 12:30 - Responder

    Gente, adorei! Parece que o Diabo se deu bem na Russia, hem! Parabéns pelo post e pleo blog, que é todo lindo. Beijos!

    • Analuiza Carvalho 05/01/2018 em 09:18 - Responder

      Obrigada Aline, por achar o EPM todo lindo!Sou suuuper suspeita, pois acho mesmo ele lindão! rsrsr Pois então, menina, o Diabo aprontou muito em terras moscovitas! ehehe bjus

  3. Cristina 02/01/2018 em 15:28 - Responder

    Que legal, adorei a correlação com o livro. Deve ser um lugar realmente incrível. Boas dicas!

  4. Muito emocionante conhecer lugares que nos marcaram em filmes ou livros, né? Adorei o post!

  5. Ana Carolina Miranda 03/01/2018 em 05:02 - Responder

    Deve ter sido um passeio super agradável visitar o Lado do Patriarca, parece um lugar lindo. É muito bom embarcarmos no mundo de escritores que admiramos.

    • Analuiza Carvalho 04/01/2018 em 10:03 - Responder

      É verdade Ana… eu adoro entrar no mundo que os autores criam, principalmente quando misturam ficção e realidade. 🙂

  6. Edson Amorina Jr 03/01/2018 em 08:19 - Responder

    Que legal o seu roteiro baseado em grandes obras russas. Além de querermos conhecer o país e seus pontos turísticos, ficamos com vontade de ler os livros.

    • Analuiza Carvalho 04/01/2018 em 10:01 - Responder

      É verdade Edson… os autores escreveram sobre a Rússia, então é uma ótima maneira para conhecer melhor o país. Além disso, acho sensacional estar nos lugares citados nas maravilhosas histórias que eu li. 🙂

  7. Jair Prandi 04/01/2018 em 18:04 - Responder

    Ainda bem que ele não apareceu, kkk.
    Acho que não é o lugar dele, mas sim, de um belo passeio de fim de tarde e ponto de encontro local.

    • Analuiza Carvalho 04/01/2018 em 11:03 - Responder

      rsrsrsrs Verdade! Mas se tivesse aparecido, tenho certeza que daria muitas risadas. Bom, ou não! ehehe De qualquer modo o fim de tarde no Patriarca é uma delícia! 🙂

  8. Juliana Moreti 01/02/2018 em 12:07 - Responder

    Ana.. eu sou tão desmemoriada… Eu não consigo relembrar de tantas passagens de um texto como você. Estava aqui tentando me recordar de algum livro que se passa por algum local que visitei e me lembrei de 2: Anjos e Demônios (não gosto de Dan Brown, mas se ele escreve sobre algo italiano, me sinto instigada em ler) e o Codex 646 (do escritor português que gostaria de ser Dan Brown – rs ). No caso do primeiro, tive que comprar a versão em italiano para seguir os tais locais através da narrativa (e está tudo errado – hahahahahaha). O segundo passeio por muitos lugares, mas foi por causa dele que fui até a Quinta da Regaleira. Mas depois da visita, tive que abrir no livro o capítulo na Quinta…
    E que pena que você encontrou o largo o Patriarca cheia de gente no fim do verão, mas imagino vocês, recriando os personagens enquanto apreciavam a praça!

    • Analuiza Carvalho 03/02/2018 em 10:56 - Responder

      oi Ju… depende muito do livro, na narrativa, da temática… leio muitos livros, alguns muito rapidamente, devorando, outros mais lentamente… As lembranças são relativas e não estão em meu controle aquelas que eu guardo ou se perdem. Eu gosto de Dan Brown. Li Inferno pouco antes de visitar Firenze e situei alguns lugares, outros foram impossíveis para mim.

      No caso de Moscou foi mais fácil, pois alguns lugares foram fáceis como o Largo do Patriarca, pois é uma cena sensacional! Outros retratados no livro, contudo não tenho ideia de onde ficam. Como disse é muito relativo.

      Não conheço este escritor português, mas só por referenciar a Quinta da Regaleira já me interessei! 🙂 bjs

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.