O JARDIM Público de Évora, Portugal, cheio de ROMANTISMO antigo

Mesmo com o dia chuvoso na pequenina cidade amarela e branca de Évora, caminhamos. Chegamos, assim, sem delineação alguma, ambição determinada ou mesmo um querer de qualquer sorte, ao Jardim Público de Évora. Ele estava quase vazio naquela tarde cinza. O silêncio era a música que dava o tom e amplificava o prazer de estarmos ali.

Apenas deambulamos. Divagamos. Cada um de nós, Leo e eu, perdidos em seu próprio mundo de reflexões e sonhos. O meu, como sempre, repleto de fantasias, viagens amalucadas, ironias inventivas e pensamentos não publicáveis.

Os personagens que habitam o Jardim Público de Évora

Nós entramos no Jardim Público de Évora pela Praça 1º de Maio já que estivemos visitando o Complexo de São Francisco com sua lindíssima e pequenina igreja de mesmo nome e sua intrigante Capela dos Ossos. É possível ter acesso aos jardins também pela porta da Rua da República.

Construído entre os anos de 1863 e 1867, os jardins são muito cenográficos, bonitos mesmo com seus caminhos de terra de traçado incoerente, vegetação variada e seus diversos e interessantes habitantes: restos sobreviventes da muralha medieval (século XIV), as ruínas fingidas (século XIX), o Palácio de D. Manuel (século XVI), um coreto em estilo renascentista (século XIX) e pavões que desfilavam para todo canto.

Jardim Público de Évora Portugal

Resto da muralha medieval

O Jardim Público de Évora naquela tarde cinzenta tinha um delicioso ar melancólico. Não saberia dizer se esta atmosfera é permanente ou deve-se apenas às cores pouco iluminadas daquele outono. O que sei é que viveu dias de glória no século XIX, quando era frequentado pela elite local.

Eram dias festivos aqueles. Ah! Pagos também! Somente em 1910 ele foi democratizado. Ai, então, aqueles personagens das classes mais abastadas, cujos narizinhos quase tocam o céu de tão empinados, deixaram de frequentar.

O parque agora era do povo, bom, na verdade, ele era agora de todos, sendo mais justa, porque todas as classes podiam frequentá-lo, pois foi socializado. Quem desistiu de aparecer por lá por conta destas bobagens de classes sociais foi quem perdeu de passar dias em tão amorável lugar.

Eu ousaria afirmar que o Jardim Público de Évora guarda romantismo em sua essência. Com sua beleza antiquada acomoda uma atmosfera agradável e atraente. Namorar de mãos dadas por ali, castamente, como no século XIX, é um programa simples, trivial e memorável!

Gostaria de saber onde comer em Évora?! Então clica no link bem aqui abaixo!Cais da Ilha de Genebra

+ Uma Choupana em Évora que serve delicioso banquete

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Google+

O Jardim Público de Évora guarda romantismo em sua essência. Com sua beleza antiquada acomoda uma atmosfera agradável e atraente. Além disso, abriga alguns personagens muito interessantes. #evora #portugal #cidade #jardim #parque #viagem #espiandopelomundo #viajantesempressa              O Jardim Público de Évora guarda romantismo em sua essência. Com sua beleza antiquada acomoda uma atmosfera agradável e atraente. Além disso, abriga alguns personagens muito interessantes. #evora #portugal #cidade #jardim #parque #viagem #espiandopelomundo #viajantesempressa

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de GenebraJardim Público de Évora em Portugal  ficará guardado em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

O Jardim Público de Évora em Portugal

Se você, meu caro viajante, gostou de passear comigo pelo Jardim Público de Évora em Portugal, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

 

By |2018-08-17T15:43:08+00:0014/08/2018|Categories: Europa, Évora, Portugal|Tags: |10 Comentários

10 Comments

  1. Michela Borges Nunes 16/08/2018 em 17:57 - Responder

    Que encanto de lugar. Namorar e caminhar, pelo jeito, já é perfeito por si só. E ainda bem que hoje é democrático e público, né? Agora, fiquei mesmo foi pensando nos pensamentos impublicáveis, heheheh.

    • Analuiza Carvalho 17/08/2018 em 08:03 - Responder

      Oi Michela… pois não é verdade! Um lugar bonito assim não pode pertencer a poucos e sim a todos. Sobre meus pensamentos, bem, melhor deixá-los mesmo impublicáveis!!! rsrsr bjus

  2. Cynara Vianna 17/08/2018 em 12:16 - Responder

    Menina fiquei curiosa sobre seus pensamentos impublicáveis kkkk, num lugar assim melancólico o que será que veio à sua mente? Brincadeiras à parte, não conheço Évora, já vi muita coisa sobre a cidade mas foi o primeiro post que li sobre esse jardim.

    • Analuiza Carvalho 04/09/2018 em 09:30 - Responder

      oi Cynara… quando puder, visite Évora. Não se arrependerá. Sobre meus impublicáveis pensamentos, quem sabe, um dia, tomando um café ou melhor ainda, uma taça de vinho, em algum lugar do mundo, eu não te conte! rsrsrs bjus

  3. Lulu Freitas 17/08/2018 em 12:41 - Responder

    Lindo texto e você conseguiu traduzir muito bem o que senti ao ver as fotos: uma doce melancolia. Adorei saber sobre a história desse belo lugar. Portugal é um encanto.

    • Analuiza Carvalho 17/08/2018 em 15:40 - Responder

      oi Lulu… De fato: Portugal é mesmo um encanto! Cheio de lugares assim, bonitos e que nos proporcionam prazer dentro de sua simplicidade! 🙂 bjs

  4. Priscila 20/08/2018 em 09:20 - Responder

    Eu adorei passear por esse Jardim e por Évora também. Quanta história em uma pequena cidade. Amei seu post. bjs

  5. Lid Costa 20/08/2018 em 09:43 - Responder

    Que bonito esse jardim público de Évora! Aposto que em um dia de sol dá pra fazer um piquenique delicioso aí, ne?!

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.