O charme de HAARLEM na Holanda: MOINHOS e pontes

Saímos do Frans Hals Museum – eu fiquei encantada com suas obras – e seguimos para as margens do rio Spaarne em busca da ponte levadiça e do icônico moinho. Haarlem precisa de tempo para ser explorada, pois é uma cidade de muitos e pequenos detalhes.

Além disso, ela é uma cidade ótima para caminhar, especialmente durante o outono, onde as temperaturas são agradáveis. O céu estava cinza, mas não choveu. As ruas são bem cuidadas e bem sinalizadas.

Saiba como chegar em Haarlem desde Amsterdam:

+ De trem pela Holanda

Pelas ruas de Haarlem

a ponte levadiça e o icônico moinho

Caminhando pelas ruas de Haarlem

O caminho até lá nos permitiu descobertas: apesar de as construções não nos deixarem esquecer que estamos na Holanda, elas carregam particularidades, seja nas cores, no tamanho ou nos enfeites colocados por seus moradores.

Talvez por ainda ser uma cidade industrial, Haarlem tenha uma atmosfera mais cosmopolita que outras cidades que visitei anteriormente como Edam e Volendam, dentro claro, dos parâmetros holandeses, que é um país pequeno.

Ou talvez essa sensação se deva a invasão de imigrantes após a Segunda Guerra Mundial, que ajudaram a reconstruir uma Haarlem destruída pelos alemães. Os ten Boom socorreram e protegeram muitas pessoas, mas milhares foram enviados aos campos de concentração nazi ao longo da guerra e cidades holandesas foram invadidas.

Haarlem e o Rio Spaarne

a ponte levadiça e o icônico moinho

Haarlem e o rio Spaarne

a ponte levadiça e o icônico moinho

Os barcos de passeio no rio Spaarne

a ponte levadiça e o icônico moinho

O rio Spaarne sob vários ângulos

O rio Spaarne já foi a veia principal da economia da cidade. Na idade média Haarlem era próspera, o centro de grandes indústrias têxteis, estaleiros e fábricas de cerveja e os navios eram cobrados para trafegar pelo Spaarne.

Durante o Cerco de Haarlem, no século XVI, que aconteceu quando os Países Baixos estavam em guerra contra Espanha (Guerra dos Oitenta Anos), a cidade resistiu bravamente por sete meses, até que caiu. Muitos defensores foram afogados no rio. Hoje, entretanto, ele é usado mais para passeios de barco por visitantes da cidade que a querem ver de outra perspectiva.

A arquitetura nas duas margens do Spaarne é bonita, com edifícios mais larguinhos dos que os que eu observei no centro. A tonalidade é a mesma, terral, mas está longe de ser monocromática.

A Ponte Levadiça

Haarlem

O rio Spaarne visto da ponte levadiça

Haarlem

A ponte levadiça vista de longe e por dentro

Ligando as duas margens do rio Spaarne nós encontramos uma ponte levadiça, exclusiva para ciclistas e pedestres, branquinha e charmosa, chamada Gravestenenbrug, em total harmonia com seu entorno. Do lado sul da ponte está o ponto de embarque dos barcos que passeiam pelo rio.

Atravessamos a ponte, de onde temos uma linda vista do Spaarne e suas curvas ziguezagueando suavemente entre as duas bordas de Haarlem e fomos até o Moinho De Adriaan (Molen De Adriaan).

O icônico moinho

Haarlem

O moinho De Adriaan

Haarlem

O moinho De Adriaan

Hoje o moinho é um museu cuja visita nos explica sobre o seu funcionamento, além de nos proporcionar um panorama de Haarlem e seu centro histórico, de 12 metros acima do solo.

O moinho que vemos hoje é uma réplica do original construído em 1778 que pegou fogo em 1932, sendo reaberto 70 anos depois de ser recuperado em um esforço coletivo dos cidadãos de Haarlem para conseguir dinheiro. No passado ele já foi usado para moer tabaco e milho.

Eu queria muito visitar e conhecer toda a história desse ícone holandês, mas infelizmente ele não estava aberto quando lá chegamos. Uma ótima desculpa para voltar a Haarlem algum dia desses!

O Café Studio

Haarlem

Começamos a nos despedir de Haarlem

Haarlem

Até qualquer dia Haarlem

Assim, nós encerramos nossa visita a esta belíssima cidade. Voltamos caminhando para o Grote Markt, onde jantamos sanduíches no Café Studio (Grote Markt 25) em uma mesa ao ar livre.

De lá, regressamos ao nosso ponto de chegada, a Centraal Station, para voltarmos para Amsterdam, onde estava nossa base.

Confesso que deixei a capital da Holanda do Norte para trás sem vontade alguma. Ainda havia tanto a explorar! Mas o dia começava a dizer adeus e os pontos turísticos já estavam fechados.

Apesar de estar há apenas 20 quilômetros da capital do país, considero uma boa ideia ficar uma ou duas noites hospedados na cidade. Aprendi em minhas andanças pelo mundo a aproveitar as pequenas cidades e a não subestimá-las como fiz com Haarlem, nesse outono de 2013.

Nossos passos por Haarlem:

Haarlem

Lugares por onde andamos em Haarlem

Vem espiar este mundão lindo comigo:

Siga o Espiando pelo Mundo nas redes sociais: FacebookInstagramTwitter e Google+

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil no Pinterest

Clicando na imagem abaixo Haarlem ficará guardada em seu Pinterest para que você viva esta cidade comigo! 🙂 

#Haarlem na #Holanda é adorável com moinhos e pontes como personagens que a adornam e a tornam linda demais! #viajante #viajar

By |2018-03-07T00:58:14+00:0012/11/2013|Categories: Haarlem|Tags: |2 Comentários

2 Comments

  1. Klécia Cassemiro 10/11/2017 em 11:53 - Responder

    Que cidade mais charmosa! Vontade de passar nessas ruazinhas! Esses lugares me encantam! Um dia pra ela foi suficiente entao, Ana? beijos!

    • Analuiza Carvalho 19/11/2017 em 09:44 - Responder

      oi Klécia… é relativo. Em um dia eu vi dois dos lugares que mais me interessavam na cidade: Corrie ten Boom e Frans Hals, então eu diria que sim.

      Contudo, se pernoitasse, com certeza visitaria mais coisas como o moinho, por exemplo. Então, tudo depende de seu ritmo e objetivos nas cidades. De um modo geral essas cidades holandesas, as menores comportam um dia de visita.

      Minha sugestão é que você chegue o mais cedo possível para aproveitar e sempre se programe para jantar nas cidades visitadas, caso opte por bate/volta. 🙂 beijinhos

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.