FURTADA no Tea Nui Hotel na Ilha de PÁSCOA

Aconteceu comigo: fui furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa. No final das contas o paraíso não era tão paraíso assim. Só que ninguém me informou, ao contrário venderam sempre a ideia de uma ilha extremamente segura.

A seguir, a história

A chegada na Ilha de Páscoa

FURTADA no Tea Nui Hotel na Ilha de PÁSCOA

Com nossos colares de boas vindas

furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Aeroporto Mataveri

Pousamos em Rapa Nui, no aeroporto Mataveri, depois de um longo caminho percorrido desde o Brasil. Desembarcamos na pista e logo deu para sentir a atmosfera daquela ilha, cujo vento era forte e estava distante de qualquer continente.

Compramos ingressos para visitar Orongo e Rano Raraku, pegamos as bagagens e saímos no saguão à procura de Maria, que nos levaria até o Tea Nui Hotel, nossa casa naqueles dias na Ilha de Páscoa. Ela foi muito simpática, nos deu colares, um mimo que todos os visitantes recebem e partimos.

A recepção

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Descobrindo a Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Primeiras visões na Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Foto com a tartaruga

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Suco de boas vindas

Em determinado momento durante o trajeto aeroporto – hotel, em mais um sinal da simpatia Rapa Nui, ela parou para tirarmos fotos e começarmos a conhecer os contornos, desenhos e cores desse lugar onde é muito fácil nos encantarmos. Barquinhos coloridos ancorados formavam uma paisagem lúdica.

No hotel, enquanto nos registrávamos, serviram sucos e nos deram informações gerais sobre a ilha, inclusive que ela era muito segura. Fomos alojados no segundo andar do pequeno hotel que parecia mais uma pousada, com estrutura muito semelhante as tantas que existem nos litorais brasileiros.

Nosso quarto

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Nosso quarto era o último do lado esquerdo da foto, no segundo andar

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

No quarto no Tea Nui Hotel

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

A vista do nosso quarto no segundo andar do Tea Nui Hotel

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

O café da manhã

O quarto era simples, mas amplo e limpo. O banheiro era pequeno e às vezes dava problema no chuveiro, mas o pessoal do hotel sempre dava um jeito. O café da manhã era básico, porém bom e sempre servido no quarto. Bastava acordar e abrir a varanda para que o pessoal batesse em sua porta com a cesta.

O wi-fi funcionava mal, mas quem se importava com esse detalhe com uma ilha inteira para desbravar e uma quantidade significativa de mistérios e lendas para conhecer?!

O dia fatídico

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Correndo na Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Correndo na Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Pedalando na Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Jantar com por do sol na Ilha de Páscoa

Foi em nossa quarta noite em Rapa Nui que tudo aconteceu. Até então, os dias transcorreram de maneira perfeita. Nesta quinta-feira, nós acordamos cedo e fizemos mais um treino de corrida, aproveitando o nascer do sol e a belíssima paisagem.

Depois disso, nós alugamos bicicletas e fomos conhecer outras partes da ilha. Com o corpo exausto, mas muito satisfeitos com o desenrolar daquele dia, resolvemos jantar em um restaurante de frente para o mar. Estávamos comemorando mais um aniversário de namoro.

Voltamos para o Tea Nui Hotel caminhando como sempre, pelas ruas escuras e seguras, como muitas pessoas nos afirmaram em diversas ocasiões. Para falar a verdade, não senti nenhuma insegurança durante nossas andanças.

Mas, cismada e desconfiada que sou, nunca me desgrudei de minha mochila e pertences, pois, vivendo em uma cidade violenta, sei que seguro morreu de velho.

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Quarto no Tea Nui Hotel: deixei a mochila ao lado da cama, no chão, perto da varanda.

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Local onde deixei minha mochila

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Varanda por onde o sujeito entrou no quarto

Pois bem! Ao chegarmos ao quarto, eu fui logo tomar banho, enquanto Léo cochilava, esperando sua vez. Deixei a mochila ao lado da cama e quando a procurei para pegar alguma coisa, ela tinha sumido.

Como jamais poderia supor semelhante situação, demorei a entender o que tinha acontecido. Já estava vestida para dormir enquanto vasculhava o quarto e perguntava a Léo, que estava no chuveiro, se ele a tinha mudado de lugar recebendo resposta negativa.

Cheguei então na varanda e vi um tipo, jovem, usando um agasalho vermelho, com capuz encobrindo a cabeça, meião de futebol abaixado, saindo da área comum do hotel. Ele se virou, me olhou e seguiu em frente. Eu recuei levemente constrangida por estar com roupa de dormir.

Foi então que a ficha caiu e corri para a recepção. O moço ainda correu por aqui e por ali, mas não encontrou ninguém. O Tea Nui Hotel é aberto, fácil de circular sem chamar a atenção.

Ele então chamou os carabineiros, que tomaram meu depoimento e afirmaram que vasculhariam toda a ilha em buscar de meus pertences, que entre outras coisas de menor valor, estavam meus óculos escuros, meu garmin (GPS que uso para controlar ritmo e quilometragem nas corridas) e meu passaporte com carimbos de Liverpool e Japão.

Confiando nos carabineiros voltamos para o quarto. Confesso que estava muito infeliz e nervosa com toda aquela situação. Como assim alguém tem a audácia de entrar em nosso quarto de hotel, no segundo andar, com a gente dentro, em uma ilha supostamente segura?!

Mais pânico

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Rua do Tea Nui Hotel

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Tea Nui Hotel e meu garmin: último treino antes de furto

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

A mochila que foi furtada.

Fiquei no computador cancelando cartão de crédito, mandando mails para casa, checando redes sociais, enfim, me distraindo, esperando o sono dar as caras. Mas não foi bem ele que resolveu aparecer.

Diante da cama, notei uma janela pequena e resolvi checar se ela estava fechada. Quando coloquei as mãos nela, o sujeito estava bem ali, olhando para dentro do quarto.

Eu nem sabia que minha garganta era tão poderosa! Acho que nunca em minha existência eu gritei tanto! O recepcionista apareceu, os carabineiros voltaram, rodaram o hotel novamente e mais uma vez não encontraram nada.

Aí eu o pânico se instalou! Estávamos em uma ilha no meio do nada, onde todos insistiam que era segura (o que então me pareceu camuflagem), um homem não só nos furta dentro de nosso quarto, como ainda volta!

Voltou por que?! Qual a razão? Qual o grau de violência naquele lugar. Pedi para trocar de quarto, o que prontamente eles fizeram, e eu não dormi o resto da noite esperando o dia amanhecer para deixar a ilha.

Eu não ia ficar ali esperando topar com uma pessoa cujas intenções eu desconhecia totalmente. Já tinha avisado que se não conseguisse lugar no único voo diário, dormiria na casa de qualquer carabinero, mas naquele hotel eu não ficava mais.

Naquela noite ainda, depois de instalados no outro quarto, atenta a qualquer barulho, o recepcionista bateu à porta e nos deu um pedaço de pau enorme e nos disse: para o caso dele voltar. O medo então se instalou, junto com a raiva, e não saiu mais até que eu voltei ao Brasil.

A burocracia para deixar a Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Deixando a Ilha de Páscoa com toda a documentação necessária em mãos

No dia seguinte, Maria nos ajudou com toda a burocracia, que não foi pouca, pois eu não tinha documento algum para sair da Ilha de Páscoa e muito menos do Chile.

Passei em diversas delegacias para fazer B.O, buscar documentos, tirar fotos e até tentar fazer um reconhecimento em um livro enorme, cheio de fotos de meliantes. Foi impossível para mim.

O livro de ocorrência de furtos e roubos era enorme, inclusive uns dias antes, uma carioca havia sido furtada e perdido tudo.

Eu ainda tive que provar que eu era eu no consulado brasileiro: minha irmã precisou digitalizar meu RG e enviar via e-mail para Rapa Nui para que eu pudesse enviar ao consulado para que eles providenciassem a papelada, uma vez que no fim de semana tudo estaria fechado.

Maria ainda saiu conosco vasculhando as latas de lixo em busca, pelo menos, de meu passaporte. Disse ela que muitas vezes eles descartam o documento, pois não serve para eles. Oi?! A ilha não era segura?!

Ninguém nunca foi preso e não acharam nenhum dos objetos furtados. Em uma ilha minúscula em que todo mundo se conhece?! Em uma noite que estava tendo campeonato de futebol?! Nunca engoli essa história.

Queria que o Tea Nui tivesse me ressarcido pelo menos do meu passaporte, que no Brasil pagamos o dobro do valor pelo documento furtado, mas quando fiz o pedido, semanas depois de perceber que nada seria encontrado, Maria simplesmente parou de responder meus e-mails.

A volta para casa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Embarcando em Santiago do Chile para Guarulhos, São Paulo

Reservamos hotel em Santiago, o mesmo que pernoitamos na chegada e conseguimos lugar no voo para Santiago. Eu embarquei com o B.O. e com esse mesmo documento eu fiz check-in no Ibis Hotel de Santiago.

No consulado peguei um documento que me dizia que me autorizava a sair do país e foi com ele que peguei o voo para o Brasil, aliviada.

Ao chegar a Guarulhos, entretanto, mais problema. A menina na Polícia Federal queria reter o meu único documento, sendo que eu estava em conexão. Demorou muito tempo até que ela achasse uma solução, simples e xerocar, conseguindo enfim chegar em casa.

Gosto amargo

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa

Ter sido furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa deixou marcas. Agora fico ainda mais atenta do que já era e não me sinto mais segura nem mesmo em quarto de hotel.

Enfim, o paraíso não é tão paraíso assim, como nos venderam em nossa temporada lá. Acho que a Ilha de Páscoa vale muito ser visitada, mas com todos os olhos abertos, como em qualquer lugar do mundo e o Tea Nui Hotel foi uma péssima experiência.

Quer conhecer mais histórias ocorridas na Ilha de Páscoa! Então, por favor, clica no link bem aqui abaixo!Cais da Ilha de Genebra

+ Oferenda para os deuses na Ilha de Páscoa

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Google+

Na Ilha de Páscoa – Rapa Nui – nós fomos furtados: dentro do quarto do hotel conosco dentro. Um pânico! Uma burocracia! #chile #ilhadepascoa #viajar #viajantesempressa #espiandopelomundo #perrenguedeviagem                Na Ilha de Páscoa – Rapa Nui – nós fomos furtados: dentro do quarto do hotel conosco dentro. Um pânico! Uma burocracia! #chile #ilhadepascoa #viajar #viajantesempressa #espiandopelomundo #perrenguedeviagem

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de Genebraeste texto furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa, Chile ficará guardado em seu perfil no Pinterest 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

Furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa, Chile

Se você, meu caro viajante, achou útil saber que eu fui furtada no Tea Nui Hotel na Ilha de Páscoa, Chile, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

By |2018-04-27T11:08:37+00:0007/05/2014|Categories: Américas, Chile, Ilha de Páscoa|Tags: |24 Comentários

24 Comments

  1. Adriana Magalhães 15/06/2017 em 16:16 - Responder

    Já te falei que fiquei hospedada no mesmo hotel na Ilha de Páscoa, né? Que experiência ruim você teve… Eu fiquei num chalé de dois quartos, mas numa noite meu filho jura que viu uma “assombração” do lado de fora do quarto. Será que era um ladrão?

    • Analuiza Carvalho 15/06/2017 em 16:21 - Responder

      Você comentou sim Adriana! Eu acho que o que seu filho viu podia ser uma “assombração” (eu acredito em fantasmas- rsrsrs) ou um ladrão. Quando fui fazer o B.O. na ilha havia muita ocorrência recente de furtos. Não vi nada de uma violência mais grave, mas furto havia muitos. De qualquer forma, que bom que a temporada de vocês na Ilha foi ótima e sem nenhum perrengue né?! beijos

  2. Mapa na Mão 15/06/2017 em 16:51 - Responder

    Nossa, que história hein? Gente, a pessoa ter a audácia de subir ao segundo andar e de voltar depois? Ah, não, muito triste isso e que inconveniente. Temos mesmo que nos cuidar e o teu post é um alerta para isso e também para nunca reservarmos este hotel lá. Obrigada por compartilhar.

    • Analuiza Carvalho 15/06/2017 em 22:29 - Responder

      Verdade!!! Esse foi meu maior medo: nossa vulnerabilidade em uma ilha perdida no meio do nada. Se o cara entra em nosso quarto conosco dentro e ainda volta, eu que não ia esperar para saber do que mais ele era capaz. É bem isso que eu intencionei ao contar e compartilhar essa história: a ilha de páscoa é incrível, mas não é tão segura quanto todos fazem parecer!

  3. Mariana Bueno 15/06/2017 em 16:56 - Responder

    Caramba! Nossa, tô chocada. A gente fica cheia de atenção na rua, mesmo qdo falam que é segura, mas, dentro do hotel pelo menos a ideia era poder relaxar dessas preocupações, né? Lamentável que esse tipo de coisa aconteça, não só o roubo, mas o cara ainda voltar de madrugada… Nem consigo imaginar como vc se sentiu. Obrigada por compartilhar o relato, é um alerta para todos nós!!!

    • Analuiza Carvalho 16/06/2017 em 01:37 - Responder

      oi Mariana… penso o mesmo! Eu sou super cuidadosa quando estou na rua, super atenta. Até então me sentia segura dentro do hotel, protegida, mas desde Ilha de Páscoa que não confio mais em hoteis e sempre checo porta e janelas para ver se tudo está ok. rsrs Que fique mesmo o alerta para que dobremos os cuidados sempre. beijos

  4. Menina que chato! Um lugar tão mágico e cheio de mistérios acabou deixando uma lembrança ruim. Mas espero que tenha superado.

    • Analuiza Carvalho 15/06/2017 em 22:25 - Responder

      Pois é Fabíola… deixou mesmo um gostinho amargo. A gente supera tudo e hoje dou risadas quando conto, especialmente a respeito do tacape, mas confesso que nunca mais me senti segura em nenhum quarto de hotel. Sempre checo mil vezes portas e janelas. 🙂 De qualquer maneira que fique o alerta: acho que não há lugar totalmente seguro no mundo. bjus

  5. Roberta Lan 16/06/2017 em 00:21 - Responder

    Que terrível! Ninguém merece um perrengue desses! E essa história de te darem um pau foi de lascar!

    • Analuiza Carvalho 16/06/2017 em 01:32 - Responder

      Foi mesmo Roberta. Uma noite ruim! Ali o meu medo foi nas alturas. rsrsr estava quase arrumando a mochila e me mudando para a casa de um dos carabineros. 🙂

  6. Alessandra Fratus 16/06/2017 em 04:15 - Responder

    Poxa, que pena. É um dos meus sonhos conhecer a Ilha de Páscoa. Infelizmente existe isso em todos os lugares hoje em dia, né?!

    • Analuiza Carvalho 25/06/2017 em 04:31 - Responder

      A Ilha de Páscoa é sensacional! Vá que vale à pena e fique com os olhos abertos. 🙂

  7. Francisco Piazenski 17/06/2017 em 04:44 - Responder

    Caramba, que situação, fico pensando na audácia do camarada escalar o segundo andar e invadir o quarto com vocês presentes!! Absurdo! Agora, depois desse alerta fiquei ainda mais previnido.

    • Analuiza Carvalho 21/06/2017 em 16:37 - Responder

      É isso mesmo Francisco! Infelizmente temos que ficar atentos em qualquer lugar do mundo! Hoje sempre checo muito bem portas e janelas dos locais onde me hospedo e sempre prefiro os andares mais altos disponíveis. Traumas deixados pela Ilha de Páscoa. eheheh

  8. Fernanda 17/06/2017 em 14:27 - Responder

    Que experiência horrível.. é de destruir todas as recordações do lugar, né? Apesar de eu achar que nenhum lugar está livre de furtos (mesmo quando insistem que é seguro), o que me chocou nesse caso foi que a pessoa estava dentro do quarto com vocês! Deve ter sido uma sensação horrorosa! Sinto muito que vocês tenham passado por isso..

    • Analuiza Carvalho 21/06/2017 em 16:36 - Responder

      Oi Fernanda… o pior de tudo foi de fato o sujeito ter voltado. Como todos diziam que a ilha era muito segura, não sabíamos a que tipo de violência estávamos expostos e isso me assustou. A audácia dele de nos furtar enquanto estávamos ali, dentro do quarto, me incomodou muito! Por isso hoje eu digo: vale à pena ir a Rapa Nui, mas o lugar não é uma ilha de segurança. Outra coisa: não estamos seguros nem em hotel. 🙂 bj

  9. angiesantanna 18/06/2017 em 17:25 - Responder

    meodeos do ceo q tenebroso, me assustei com o cara voltando!!! n sei se eu puxava o cara pra dentro, empurrava pra baixo sei la na hora o corpo reage das formas mais improvaveis possiveis! sorte q ele fugiu com seus gritos! agora sim q n deixo nada nada perto da janela e varandas!

  10. Lulu Freitas 18/06/2017 em 23:14 - Responder

    Que história terrível. Ainda bem que tudo terminou bem. Infelizmente acho que não existe mais algum lugar seguro nesse mundo…

  11. […] não usufruímos todos os dias planejados, pois tivemos que deixar a ilha mais cedo por termos sido furtados: o paraíso não era tão paraíso assim no final das […]

  12. Romoe Angelo 04/02/2018 em 09:37 - Responder

    Amigos, tenho verdadeiro fascínio por estes lugares exóticos e acho que a viagem de vocês deve ter sido fantástica e que o roubo que vocês tiveram, foi so um tempero a mais nessa excursão. Meus parebens!

    • Analuiza Carvalho 04/02/2018 em 12:06 - Responder

      oi Romoe… Se tem uma coisa que podemos dizer sobre a Ilha de Pascoa é que é um lugar exótico. Misteriosa, bonita, interessante. O furto deixou um gosto muito amargo e um prejuízo alto, mas de fato não apagou as coisas que vimos por lá, nem os dias que vivemos percorrendo a ilha! 🙂

  13. João Pedro 22/05/2018 em 15:05 - Responder

    que viagem incrivel!!
    infelizmente ocorreu esse incidente mas nao apaga a beleza do lugar e a gentileza dos cidadãos,embora e não engula a historia de que o cara era um ladrao desconhecido. poxa,ilha minuscula. e ainda tinham um pedaco de pau pronto. parece um teatro. bom, o jeito sera nao ir pra esse hotel e trancar muito bem as portas,alem de levar o iphone sempre com você.

    • Analuiza Carvalho 03/07/2018 em 10:15 - Responder

      oi João… de fato o furto não apagou a beleza de Rapa Nui. A ilha é mesmo incrível, mas deixou um gostinho amargo. Eu concordo com você; acho que eles sabiam bem quem era e podiam ter feito alguma coisa: no mínimo devolvido meu passaporte, mas naquela ilha pequena, o melhor foi mesmo sair de lá. Já tinha visto quase tudo o que queria, então, valeu. A burocracia para deixar o Chile foi grande, aborrecida e cansativa. Eu fortemente sugiro que ninguém mais se hospede nessa pousada e que fique bem de olho em seus pertences e que mesmo no quarto, cheque se as portas e janelas estão bem fechadas. bj

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.