A CASA museu de Bulgákov em MOSCOU

O escritor russo, um dos mais importantes da literatura mundial, Mikhail Bulgákov viveu com sua terceira esposa Yelena Chilóvskaia em um quarto situado num pequeno edifício localizado próximo ao bonito Largo do Patriarca. Todo o prédio virou a Casa de Bulgákov, uma casa museu em homenagem ao autor do sensacional e divertidíssimo livro O mestre e a Margarida.

Nós a visitamos em um fim de tarde.

Mikhail Bulgákov e Yelena Chilóvskaia

Mikhail Bulgákov nasceu em Kiev, Ucrânia, então sob domínio do Império Russo, em 1891, falecendo em Moscou em 1940. O escritor chegou à capital russa apenas em 1921.

Yelena Chilóvskaia serviu de inspiração para Bulgákov criar Margarida, personagem principal de seu livro mais famoso O mestre e a Margarida finalizado pouco antes de sua morte. Durante toda a sua vida, Bulgákov sofreu com a censura comunista às suas obras. Ele chegou a pedir a Stalin para emigrar, pois não tinha como cuidar de sua família.

Teve o pedido negado.

O mestre e a Margarida

Casa de Bulgákov

No livro, o Diabo visita a Moscou da década de 30 durante o regime comunista, se apaixona por Margarida e apronta muitas peripécias ao longo de alguns dias.

A narrativa ágil, com muitos elementos do realismo fantástico, mordaz e irônico, trata do modo de vida soviético. O escritor levou 10 anos para concluir. Foi publicado apenas em 1966 na União Soviética com muitas partes censuradas ou alteradas, mas de maneira clandestina a população teve acesso ao livro completo.

A primeira versão integral só foi publicada em 1973 na Alemanha.

Eu dei muitas risadas com as cenas criadas por Bulgákov. Os diálogos entre os personagens são espetaculares.

Então, naquela tarde, fomos conhecer uma parte da vida do escritor para entender sua obra e a o modo de viver moscovita naqueles tempos.

A casa de Bulgákov em Moscou

Atravessamos o portão e chegamos ao pátio onde ficam vários apartamentos. Ainda há moradores: é uma área residencial.

Ficamos confusos por um momento, pois todas as informações estavam em russo, não havia pistas claras sobre onde estava localizada a Casa de Bulgákov.

Casa de Bulgákov

Portão que dá acesso ao pátio com vários apartamentos

Até que vimos as esculturas e o poste de luz. Observando melhor, vimos um conjunto de caracteres acima de uma das portas que lembravam a palavra museu.

Entramos e subimos as escadas. Havia uma pequena recepção com uma menina que não falava absolutamente nada de inglês. Ela indicou que entrássemos.

Casa de Bulgákov: entrada com a palavra museu

A Casa de Bulgákov

Um conjunto de ambientes sombrios ao longo de um corredor. Bulgákov viveu aqui com sua esposa ocupando um dos quartos. Atualmente ele está montado com diversos móveis e objetos da época. Fuçamos tudo. Além da antiga morada do casal, entramos em todos os outros quartos que estavam abertos.

O problema é que todas as informações estavam em russo, então eu não saberia dizer com certeza se tudo aquilo que estava exposto no antigo quarto de Bulgákov pertenceu ao escritor ou se era apenas uma recriação de sua antiga vivenda.

Seja como for, o recorrido tem um imenso valor uma vez que pudemos imaginar como era a vida soviética em que cada família ocupava um quarto e dividia o banheiro e a cozinha. Imagino que a convivência não fosse exatamente fácil.

Por isso, mesmo para quem não leu O mestre e a Margarida esta é uma visita muito interessante.

O apartamento do casal serviu de inspiração para a casa do Diabo em O mestre e a Margarida. Um tempo atrás ele foi vandalizado por um vizinho que dizia ser o livro satânico.

Há um café charmoso e a entrada é gratuita.

Confesso que a minha curiosidade estava absurdamente aguçada para saber mais daquele lugar, mas pudemos apenas sentir, percorrer e imaginar.

Casa de Bulgákov

A Casa de Bulgákov

O Serviço Secreto russo apreendeu os manuscritos de O mestre a Margarida e quando os devolveu, Bulgákov os queimou. Em teoria, foi bem aqui que ele cometeu este sacrilégio.

Para nossa sorte, o Serviço Secreto (seria o Diabo a personificação dele) fez cópias e por conta disso hoje podemos conhecer a magnífica história envolvendo o mestre e a Margarida.

O mestre e a Margarida influencia a vida cotidiana russa

O mestre e a Margarida influenciou tão fortemente a vida cotidiana russa que a frase “Ánnuchka já derramou o óleo” dita pelo Diabo logo no início do livro e que desencadeia todo um mistério é utilizada para dizer que o cenário da desventura está armado.

Já quando uma coisa não pode ser destruída eles dizem uma frase dita por Woland – “Manuscritos não ardem”.

Endereço da Casa de Bulgakóv: Bolshaya Sadovaya street, #10.

Pizza para encerrar a noite

Depois de visitarmos a Casa de Bulgákov, voltamos para as ruas moscovitas em busca de um lugar para comer. Jantamos em um lugar muito fofo chamado Pizza Express.

Nossa garçonete nos levou para uma varanda com vista para um pequeno parque. A noite estava fria, ela arranhava no inglês e foi muito simpática.

A pizza estava gostosa, mas não era nada extraordinária. Comemos ainda bruschettas como entradas e uma salada de salmão com ovos poché e salmão.

Endereço: Большая Садовая ул., 6c2

Quer conhecer outros lugares por onde o Diabo passou em Moscou?! Então clica no link bem aqui abaixo!

Cais da Ilha de Genebra

+ O Jardim de Alexandre

+ O Largo do Patriarca

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. Siga o Espiando pelo Mundo no FacebookInstagramTwitter e Google+

Um passeio pelo mundo do escritor russo Mikhail Bulgákov, autor do maravilhoso O mestre e a Margarida, visitando a casa em que ele viveu com a esposa em #Moscou. #Rússia #Europa #viajar #viajantesempressa

 

Clicando na imagem ao lado essa a Casa de Bulgákov em Moscou ficará guardada em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

A casa de Bulgákov em Moscou

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer a casa de Bulgákov em Moscou, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam e se deliciem também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

 

By |2018-05-11T08:44:27+00:0019/11/2014|Categories: Moscou|Tags: |6 Comentários

6 Comments

  1. Juliana Moreti 23/01/2018 em 18:37 - Responder

    Li O mestre e a Margarida durante a faculdade e confesso que preciso relê-lo. Não me lembro de muita coisa. Não sabia (ou não me lembrava) da censura e fico feliz pela obra original não ter sido perdida (ainda bem que não fora divulgada pelos franceses – rsrsrsrs)!

    • Analuiza Carvalho 23/01/2018 em 19:27 - Responder

      Eu também Ju, fico feliz que a censura não tenha saído vitoriosa e que o Mestre e Margarida tenha sobrevivido a ignorância e chegado até nós! 🙂 bjus

  2. Alex 10/05/2018 em 23:22 - Responder

    Nossa, acabei de ler o livro é vou a Rússia em julho. Amei a história!! Isso não é um livro, é uma obra prima! Daí vou procurar se existe a casa do Bulgakov pra visitar e tenho essa bela surpresa com seu post!! Show de bola!! Certamente irei, bela dica!

    • Analuiza Carvalho 12/05/2018 em 10:52 - Responder

      oi Alex! Que máximo!!!! Eu conheço poucas pessoas que leram o mestre e a Margarida! Concordo totalmente: não é um livro, mas uma obra prima!!!! Visite sim a Casa de Bulgákov e por favor, volte para me contar como foi! Não deixe de ir também no Lago do Patriarca e no Jardim de Alexandre para sentir um pouco mais o clima do livro!!!!! 🙂 Boa viagem! Aproveite a Rússia!

  3. Patrícia Leonor Martins 16/02/2019 em 15:36 - Responder

    Muito interessante saber que há na Rússia um cuidado com a obra O Mestre e Margaria, mantendo uma casa e um museu de Bulgákov. Li O Mestre e Margarida durante o meu mestrado, em uma disciplina, apaixonei-me pela obra e hoje ela é objeto de estudo do meu doutorado que está em andamento. Quero visitar a Rússia para poder sentir o clima da obra!

    • Analuiza Carvalho 19/03/2019 em 15:17 - Responder

      oi Patrícia… que interessante saber sobre seu doutorado! Poderia me contar mais?! Tomara que um dia você visite a Rússia para descobrir, perceber se encontrará pelas ruas da Moscou atual o clima narrado por Bulgákov. Eu, que sou apenas uma leitora curiosa e não uma doutoranda, confesso que em diversos momentos pude observar livro e realidade se misturando na atmosfera moscovita. Preciso confessar, contudo, que minha imaginação é muito fértil e fantasiosa! rsrs bjs

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.