Pelos TORTUOSOS caminhos de uma CURIOSA cidade chamada COLÔNIA na Alemanha

Colônia é uma cidade feia. Estranha. Desprovida de poesia. Ela me lembrou duns jogos infantis em que eu montava diversos bloquinhos à minha maneira sem nenhum tipo de lógica ou organização. Naquele fim de tarde do verão alemão saímos caminhando pelos tortuosos caminhos de Colônia.

Eu queria ver mais daquela cidade.

Fim de tarde em Colônia

Tortuosos caminhos de Colônia

No pátio da Catedral de Colônia vista para seu casario

Tortuosos caminhos de Colônia

O Hauptbahnhof ao fundo

Deixamos o Museu Ludwig para trás e caminhamos. Sem direção. Sem rumo. Sem curso. Havia muito movimento de pessoas. Passava pouco das 17 horas. A temperatura estava mais amena àquela altura, o que era ótimo, pois o verão alemão não é lenda.

O calor é intenso!

Passamos pelo Hauptbahnhof, a estação central de trens, onde chegamos em Colônia, mas não descemos para a praça em frente, continuamos na parte de cima, no pátio da sua grande e desproporcional Catedral, outra estrutura que me degradou profundamente. Aliás, ela foi minha grande decepção na cidade.

Muitos turistas e locais circulavam por ali.

Os trilhos da estação ferroviária

Seguindo pelos tortuosos caminhos de Colônia, passamos pelos trilhos da estação ferroviária. Eu gosto muito dos trens que significam para mim, além de um ótimo meio de transporte, cenários de filmes e livros, e, portanto, envoltos sempre em romantismo.

Contudo, os trilhos de Colônia contribuem para o seu cenário pesado, estranho, feioso…

Tortuosos caminhos de Colônia

Os trilhos da Estação Ferroviária de Colônia

O engraçado da paisagem urbana de Colônia é que todos estes elementos desconexos estão tão intimamente ligados que conferem muita identidade à cidade. Todos eles juntos são Colônia. Isso é facilmente perceptível e já foi possível entender este marcante aspecto nesse nosso segundo dia na cidade.

Colônia é uma cidade de confusão estética muito particular que ainda não encontrei em nenhuma outra parte. Ela não tem parecença com nenhum destino que eu já tinha visitado.

Próxima aos trilhos há uma escadaria que leva ao Rio Reno. Estava acontecendo uma prova de triátlon e paramos para olhar. Puxamos assunto com os voluntários da prova e isso nos rendeu cerca de 1 hora de boa conversa.

Primeiro com um, depois juntou outro e mais um. Isso também é muito evidente em Colônia: a simpatia das pessoas. Durante nossas andanças pela cidade sempre encontramos agradáveis conversas.

Isso fez uma diferença significativa em nosso relacionamento: meu e de Colônia.

Tortuosos caminhos de Colônia

Ao fundo a escadaria que liga os museus e Catedral à orla do Rio Reno

Esta é mesmo uma cidade curiosa: ela tem uma atmosfera pesada, em grande parte conferida por sua arquitetura que parece um monte de puxadinho, entretanto é uma cidade suave, alegre até e descontraída.

Colônia me deu novos mundos: físicos e culturais em que pensar. Ela mostrou-se para mim como uma singular cidade, inesperada e incomum… Sem sentido, mas acolhedora.

Uma mistura incongruente de estilos onde uma estrutura atropela a outra em uma guerra sem vencedores. Zombaria por toda parte.

Logo após as escadarias, encontramos uma fonte em forma de obra de arte.

Uma fonte em forma de obra de arte

Tortuosos caminhos de Colônia

A fonte: conglomerado de formas geométricas distintas

Para mim ela soou como uma representação da própria cidade: várias formas geométricas sobrepostas, lado a lado, formando um incoerente conjunto, tortuosos caminhos de Colônia…

Simpática, no entanto: um jogo de atração e malquerença…

Muitas crianças estavam por ali se divertindo muito com a fonte e sua água. Riam como só as crianças sabem fazer e, contagiados, ficamos por ali, deixando o tempo passar, sem notar…

Até que as crianças se foram e fomos passear pela orla do Rio Reno.

Tortuosos caminhos de Colônia

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Google+

Conheça o mercado de pulgas de Colônia clicando no link bem aqui abaixo: 

Cais da Ilha de Genebra

+ Mercado de Pulgas em Colônia

 

#Colônia é uma singular cidade, inesperada e incomum... Sem sentido. Caminhar pelas diversas áreas da cidade é um interessante programa a se fazer para perceber esta cidade acolhedora possuidora de cenários pouco atraentes. #viajantesempressa #Alemanha #Europa #viajar

Clicando na imagem ao lado os caminhos de Colônia ficarão guardados em seu perfil no  Pinterest. 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

 

 

Se você, meu caro viajante, gostou de passear comigo por alguns dos caminhos de Colônia, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam e se deliciem também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

By |2018-03-07T01:05:04+00:0017/01/2018|Categories: Alemanha, Colônia, Europa|Tags: |4 Comentários

4 Comments

  1. Klecia 19/01/2018 em 08:15 - Responder

    Desde o post do Museu Ludwig eu já tinha achado a cidade bem ‘contrastante’, e não posso concordar mais com você quando diz que a fonte representa mesmo a cidade. Proposital, será?
    E estou triste aqui: a catedral foi sua maior decepção na cidade? Como assim ??? =O

    • Analuiza Carvalho 19/01/2018 em 16:46 - Responder

      Colônia sob meu olhar foi uma confusão arquitetônica sem fluxo, sem sentido, sem noção… Ainda assim, ela nos proporcionou momentos interessantíssimos, além de me tirar de meu lugar comum de achar que toda a Alemanha lembra um conto de fadas. Pois então, menina… A Catedral de Colônia é a cara de Colônia!!! rsrsrs bjus

  2. Mayte Scaravelli 20/01/2018 em 05:02 - Responder

    Me senti confusa e perdida nessa cidade! Conheço Colônia, ou melhor, conheço a Catedral de Colônia. Única coisa que deu tempo de fazer entre chegar de trem de uma cidade e pegar outro para seguir viagem…

    Me lembro que a gigantona parecia meio perdida, talvez apertada ou talvez deslocada no lugar onde ela se encontrava. Tendo isso em mente não foi difícil imaginar essa Colônia confusa que vc descreveu e o mais incrível é que suas fotos estão com uma coloração que passa todo esse seu sentimento.

    • Analuiza Carvalho 20/01/2018 em 19:27 - Responder

      oi Maytê… Colônia também me deixou confusa e perdida… ou melhor, sua paisagem me deixou assim! 🙂 Acho que você definiu muito bem a Catedral: uma gigantona meio perdida… Ela parecia absolutamente desconectada do resto do cenário encobrindo bonitos edifícios como o do Museu Ludwig.

      De qualquer maneira eu passei alguns dias em Colonia e apesar de ser uma cidade estranha ela é interessante.

      Engraçado você mencionar as cores das fotos, pois pensei o mesmo quando as estava selecionando: cores incomuns, meio de acordo com a cidade! 🙂 bjinhos

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.