BO-KAAP – o colorido e MULTICULTURAL bairro da Cidade do Cabo

Num Domingo calmo e silencioso, com a cidade ainda meio adormecida, nós visitamos o colorido bairro na Cidade do Cabo intitulado Bo Kaap – Patrimônio Nacional da África do Sul. Eu tinha lido versos e prosas de amor a respeito do Bo Kaap e na realidade ele foi para mim uma grande decepção.

Talvez tenhamos escolhido a hora errada, o dia errado para visita-lo. Fato é que não conseguimos acessar a alma deste tão antigo – um dos mais velhos da cidade – bairro capetoniano. A vida estava encolhida naquele dia, não se desenrolou diante de meus olhos como eu esperava.

Bonito, histórico, este bem conservado bairro na Cidade do Cabo é formado por mais de 1.000 casas, algumas do século XVIII, distribuídas em alguns quarteirões. Nos dias atuais passa por transformações que podem no futuro, talvez próximo, mudar novamente sua atmosfera, seu jeito de ser.

Por enquanto segue colorido e com a maioria dos moradores sendo muçulmanos. Foi aqui, inclusive, construída a primeira mesquita da África do Sul.

Nós no Bo Kaap

Quando lá estivemos naquela manhã de sol castigante, céu de um azul nunca antes visto por mim, não havia vivalma nas ruas, apenas nós. Subimos ladeiras, tiramos fotos, tentamos acessar a essência do bairro. Paramos nas esquinas, observamos: quietude, silêncio, tranquilidade foi tudo o que Bo Kaap – acima do Cabo em português – nos ofereceu.

Até que apareceu uma criança que brincava com seu skate, descendo as ruas, perdido nele mesmo. Nem pareceu nos notar. Quase na sequência, um senhor surgiu na mureta de sua casa verde, espichou os olhos para um lado e para  o outro, ali ficou por uns instantes e voltou para dentro, sumindo de nossas vistas. Vez por outra aparecia um morador na porta ou na calçada, mas a maioria das casas estava ainda fechada.

As ruas vazias.

Bo Kaap na Cidade do Cabo

Subindo as ladeiras do Bo Kaap num domingo silencioso de sol escaldante

Bo Kaap na Cidade do Cabo

Uma criança e seu skate

Numa esquina uma cena me chamou a atenção: volteando com a leve brisa que soprava, várias roupas estavam penduradas num varal. Roupas masculinas, femininas, de criança, todas muçulmanas… O que para mim foi inusitado é que a corda com as roupas estava amarrada em postes na rua. Achei uma curiosa despretensão.

Isto foi o mais perto da vida no bairro que eu pude chegar.

Se bem que a ausência de movimento naquele domingo me deu pistas do quão preguiçosa e dorminhoca é a vida neste dia da semana. No final das contas, o descanso também faz parte do cotidiano dos lugares, das adoráveis trivialidades que muito nos dão a conhecer a respeito das culturas deste diverso mundo.

Bo Kaap na Cidade do Cabo

Uma esquina, um varal, roupas…

O passado do Bo Kaap

O Bo Kaap surgiu há alguns séculos quando os escravos libertos – os malaios do Cabo, que chegaram na região entre os séculos XVII e XVIII – começaram a assentar nesta região. Foram trazidos pela Companhia Holandesa das Índias Orientais de diversas regiões da África, da Indonésia, Índia e Malásia. A multiculturalidade é uma das marcas do Bo Kaap.

A outra naturalmente é o colorido intenso. A ideia de pintar as casas com cores tão acentuadas veio após o fim do Apartheid, já no epílogo do século XX, representando a diversidade cultural do bairro. As cores são combinadas entre os moradores para que ela mantenha esta aparência de arco íris.

Durante o Apartheid, o Bo Kaap resistiu. Enquanto todas as pessoas não brancas eram expulsas de seus bairros e enviadas à força para a periferia da Cidade do Cabo, o bairro malaio, considerado uma favela, aguentou. Este fato atribui-se à luta incansável de I.D. du Plessis, um representante, branco, do governo, para que o Bo Kaap não fosse extinto.

A manutenção do Bo Kaap em essência não feria os pilares do Apartheid, uma vez que no bairro viviam pessoas não brancas, apenas. Era uma ilha racial. Quiça, por isso, o bairro foi mantido e as pessoas não foram expulsas como aconteceu no District Six.

O Bo Kaap no presente

Localizado aos pés da montanha Signal Hill, com vista para a Lion´s Head, este bairro é muito fotogênico e proporciona aos nossos olhos interessantes cenários.

Atualmente virou cool morar nas casinhas coloridas do Bo Kaap. Assim, pessoas de fora que nada tem a ver com o bairro estão vindo morar aqui. Os custos de viver por aí aumentaram e alguns antigos moradores tiveram que buscar outras vivendas. Um tanto assim de residentes, entretanto vendeu suas casas por gosto e vontade.

Fato é que as coisas andam mudando por aqui e as pessoas se dividem entre querer manter as tradições e o ar de bairro família e o medo de perder a identidade. Num país que viveu tantos e tantos anos uma política racial separatista, esta é mesmo uma questão delicada.

Eu não pude visitar o Museu Bo Kaap para saber mais desta história. Eu não pude visitar o mercadinho em frente e sentir o aroma das especiarias. Eu não pude comer num dos restaurantes tradicionais do Bo Kaap. Tudo naquela manhã estava fechado!

Uma dica meu caro viajante?! Não visite o Bo Kaap pela manhã tão cedo. Não visite o Bo Kaap num domingo. Quem sabe assim, diferente de mim, você consiga perceber o espírito do bairro?! Se assim acontecer, volte para me contar como é essa energia que se mistura e se embola em tantos séculos de existência.

Bo Kaap na Cidade do Cabo

O Bo Kaap nos dias de hoje com a Lion´s Head (Leeukop em africâner) ao fundo

Quer conhecer outro lugar na Cidade do Cabo que fala de seu passado?! Então, por favor, clica no link bem aqui abaixo!Cais da Ilha de Genebra

+ O Prestwich Memorial: uma volta ao ontem de Cidade do Cabo por seus fantasmas

Venha espiar este mundão lindo comigo pelas redes sociais. 

Siga o Espiando pelo MundoFacebookInstagramTwitter e Google+

O colorido Bo-Kaap é um dos bairros mais antigos da Cidade do Cabo. De alma prioritariamente muçulmana, o Bo-Kaap abriga antiguidade e diversidade cultural. #bokaap #capetown #cidadedocabo #africadosul #africa #viagem #historia #cidade #espiandopelomundo #viajantesempressa              O colorido Bo-Kaap é um dos bairros mais antigos da Cidade do Cabo. De alma prioritariamente muçulmana, o Bo-Kaap abriga antiguidade e diversidade cultural. #bokaap #capetown #cidadedocabo #africadosul #africa #viagem #historia #cidade #espiandopelomundo #viajantesempressa

Clicando em qualquer uma das duas imagens logo aqui acima Cais da Ilha de Genebra o colorido bairro do Bo Kaap na Cidade do Cabo, África do Sul ficará guardada em seu perfil no Pinterest 🙂

Para mais inspirações e histórias de viagem siga o perfil do Espiando pelo Mundo no Pinterest.

O bairro de Bo Kaap na Cidade do Cabo, África do Sul

Se você, meu caro viajante, gostou de conhecer um pouco do colorido Bo Kaap na Cidade do Cabo, África do Sul, compartilhe em suas redes sociais para que os amigos leiam também! 🙂 

Os botões de compartilhamento estão aqui abaixo.

Cais da Ilha de Genebra

 

By |2018-08-17T12:08:52+00:0017/08/2018|Categories: África, África do Sul, Cidade do Cabo|Tags: , |6 Comentários

6 Comments

  1. Mariana Antunes 19/08/2018 em 19:18 - Responder

    Nossa é frustrante quando está tudo fechado! Mas pelo menos deu para ver a beleza do bairro e dessas simpáticas casinhas coloridas!

  2. Gabriela Torrezani 20/08/2018 em 05:32 - Responder

    Que belo bairro Analuiza… Caramba, vocês estão me mostrando que tem MUITA coisa linda e interessante pra visitar na Cidade do Cabo, hein? 😀 Também quero ir!

    • Analuiza Carvalho 04/09/2018 em 19:43 - Responder

      Vá, Gabi, vá sim! Embora seja uma cidade plácida, Cape Town nos permite dias agradáveis e cenários exuberantes! 🙂 bjs

  3. Juliana Torres Moreti 24/08/2018 em 09:46 - Responder

    Acho super interessante os motivos pelo quais os moradores levam a colorirem suas casas. Em Valpo eu não li nada sobre o motivo. Na Itàlia, as casas coloridas estão normalmente em vilas de pescadores. Dizem que seus donos as coloriam para poder ve-las de longe.
    Uma pena mesmo que você a visitou em estado “dormente”. Talvez em um final de tarde, mesmo que em um final de semana, a cidade esteja mais viva!

    • Analuiza Carvalho 04/09/2018 em 20:25 - Responder

      oi Ju… também não sei a motivação de Valpo, mas em Burano vi semelhante explicação sobre o lindo colorido das casas. Não sei, sobre a movimentação em Bo-Kaap, terei que esperar pelo relato de outros viajantes que passarem por lá! rsrs bjs

Deixar Um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.